Mostrando postagens com marcador Dicas de Saúde. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Dicas de Saúde. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 9 de julho de 2018

PERIGO:MPF cobra 312 cidades sobre risco de retorno da pólio


Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil
Prefeitos de 312 cidades do País com alto risco para retorno da poliomielite foram oficiados na sexta-feira pelo Ministério Público Federal (MPF). O órgão pede para que os municípios adotem as medidas necessárias para garantir o aumento da vacinação contra a doença. 

"A estratégia deve ser adotada em curtíssimo prazo", afirmou a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Drupat. O descumprimento das recomendações pode se enquadrar em improbidade administrativa e desrespeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente, segundo ela.

Conforme o jornal O Estado de S. Paulo revelou, pelo menos 312 cidades têm menos de 50% das crianças protegidas contra a pólio. A recomendação da Organização Mundial da Saúde é imunizar no mínimo 95% para evitar novos casos. O último caso de pólio registrado no País foi em 1990. 

No ofício, Deborah recomenda ampliar o horário de funcionamento das salas de vacina, o que ajuda pais que trabalham em período integral. Pede também que profissionais da atenção básica, incluindo agentes comunitários, façam trabalhos para identificar crianças com a carteira de vacinação atrasada.

A orientação do Programa Nacional de Imunização (PNI) é aproveitar a visita da criança ao posto de saúde para vaciná-la - exceto nas recomendações médicas em contrário. Coordenadora do PNI, Carla Domingues criticou em entrevista ao Estado a resistência de profissionais em adotar essa simultaneidade na vacinação. 

Presidente do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde, Mauro Junqueira admite haver formas de melhorar os indicadores, como ampliar o horário da vacinação. 

Mas argumenta haver empecilhos, como frascos com mais de 50 doses. "Há recomendações para que municípios não desperdicem o insumo. E isso faz com que profissionais procurem dar vacina de forma concentrada, para várias crianças de uma vez só", diz. "Mas é preferível, por enquanto, desperdiçar o insumo e ser chamado a atenção sobre isso, do que deixar uma criança sem proteção."

Ministério

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão pediu ao Ministério da Saúde a atualização dos dados do PNI. O problema de baixa vacinação ocorre também com outros imunizantes, como a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Com informações de Diario de Pernambuco
Professor Edgar Bom Jardim - PE

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Cuba produz vacina contra o câncer

Todos nós sabemos que o câncer hoje infelizmente é um dos negócios mais rentáveis.
Muitas empresas, como laboratórios farmacêuticos, faturam bilhões com essa doença.
Mas nós acreditamos na ciência do bem.
Existem sim pesquisadores que dedicam a vida para encontrar a cura de doenças consideradas incuráveis.
Um exemplo disso é o grupo de médicos e microbiologistas cubanos, que, com um orçamento muito limitado, conseguiu desenvolver a primeira vacina mundial contra o câncer de pulmão - a CIMAvax EGF.
Essa vacina já foi usada em mais de 4 mil pessoas que sofrem com a doença.
O resultado é incrível!


Ela é capaz de prolongar e melhorar o tempo de vida dos pacientes, mesmo quando o câncer já está bem avançado.
Foram necessários 16 anos de pesquisa para se chegar à fórmula da vacina.
O melhor é que ela não causa efeitos colaterais graves.
O mais interessante é que um país pobre e subdesenvolvido como Cuba conseguiu alcançar uma expressiva vitória contra a maior doença dos tempos modernos, mas os gigantes farmacêuticos, com toda a sua força econômica, não chegaram nem perto de algo parecido.
A vacina funciona atacando uma proteína chamada "fator de crescimento epidérmico", ou EGF, que permite que células cancerígenas do pulmão cresçam.


A CIMAvax estimula o sistema imunológico a criar anticorpos que se ligam ao EGF, impedindo que esta proteína alimente as células cancerosas.
A vantagem é que ela poupa a pessoa de se submeter às altas doses de quimioterapia, garantindo mais tempo de vida e com mais qualidade.
Com a administração dessa vacina, o paciente sofre menos falta de ar e, às vezes, esse sintoma até desaparece definitivamente.
Da mesma forma, ocorre com a dor.
Além disso, a pessoa volta a ganhar peso, melhora o apetite e passa a ter mais energia no dia a dia.
A vacina já está chegando em outros países, como na Bósnia, Herzegovina, Colômbia, Paraguai e Peru.

Há grande esperança entre os cientistas cubanos de conseguirem tratar outros tumores, como o de próstata, útero e mama.
Os cubanos recebem o tratamento gratuitamente,
Quem não mora em Cuba pode se informar sobre a vacina entrando em contato com:
- Serviços Médicos Cubano. Web Page: www.smcsalud.cu
e-mail: smc@smcsalud.cu – Telefones: (537) 8333095; fax: (537) 8333055
- Hospital Clínico ´Hnos. Ameijeiras: San Lázaro # 701, centro, Habana, Ciudad de La Habana, Cuba. CP 10300. Telefono (537) 876 1000 e-mail Dr. Alfredo Herrera – mision@hha.sld.cu
- Centro Internacional de Salud La Pradera: Calle 230 entre 15ª y 17, Siboney, Ciudad de La Habana, Cuba, Telefones: (537) 2737476 ai 80. E-mail: aloja@pradera.cha.tur.cu y comercia@pradera.cha.tur.cu
Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Fonte:www.curapelanatureza.com.b

Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 24 de março de 2018

Saúde: 12 hábitos para emagrecer e não engordar nunca mais


Não foi do dia para a noite que você aprendeu a gostar de fritura, salgadinho, doce de leite. Então, se está disposta a comer melhor e mudar de vida, não espere milagre instantâneo. O pulo-do-gato é fazer uma mudança por vez. Só depois que a primeira modificação vira hábito, você parte para o próximo desafio.
“Para fazer essa virada, é preciso acreditar que a nova atitude vai trazer um benefício e que não exigirá um grande esforço para entrar na nossa vida. Com isso em mente, fica mais fácil fazer as alterações na alimentação“, diz a nutricionista Kristine Clark, professora da Universidade da Pensilvânia (EUA), que aposta no método.
Para ajudar você nessa empreitada, a nutricionista Rosana de Oliveira, de Natal, preparou um programa de três meses. Na primeira semana, você começa a beber mais água até chegar a 2 litros por dia. Fácil demais? A regra que comanda esse jogo é: devagar e sempre. Na segunda semana, você investe em mais um novo hábito e treina durante sete dias, sem, é claro, abandonar a conquista da semana anterior. E assim vai.

 1ª semana: água antes de comer

Você já sabe que o corpo precisa de oito a dez copos todo dia. O truque é quando tomar. Anote: dois copos de água uma hora antes do café da manhã, do almoço e do jantar. Antes de cada lanche, mais um copo. “Nosso corpo nem sempre identifica bem a sede”, diz Kristine Clark. “Por causa disso, às vezes confundimos a falta de hidratação com fome e exageramos na comida.”
Tática: você pode deixar lembretes do tipo “não se esqueça da água” na agenda ou no alarme do celular. Manter uma garrafinha cheia na mesa de trabalho ou na bolsa dá certo.

2ª semana: café da manhã todos os dias

Pesquisas comprovam que quem toma um café da manhã nutritivo corre menos risco de comer muito nas outras refeições. Além disso, você garante mais pique e concentração. Uma fruta, uma xícara de café com leite desnatado e uma fatia de pão integral com presunto magro ou peito de peru é uma ótima pedida para começar bem o dia.
Tática: se não tem apetite quando acorda, comece com a fruta e, aos poucos, acrescente outros alimentos. Quem vive correndo pode optar por produtos prontos e saudáveis, como iogurte desnatado, suco natural, torrada integral e barrinha de cereais.

3ª semana: mais refeições

“Quem divide o que come em cinco refeições por dia acelera o metabolismo entre 5 e 15%”, diz a nutricionista Heloísa Guarita, especialista em fisiologia do exercício. Imagina se você ainda maneirar nas porções: é emagrecimento na certa porque você evita os picos de fome.
Tática: o ideal é comer a cada três ou quatro horas. Se você toma o café da manhã às 7h, faça um lanche às 10h, almoce às 13h, lanche às 16h e jante às 20h.

4ª semana: refrigerante uma vez por semana

Aproveite que você já adquiriu o hábito de beber mais água e reduza o refrigerante, que não acrescenta nada de bom ao organismo. Light ou normal, tanto faz: consumidos com a comida, diluem o suco gástrico e prejudicam a digestão.
Tática: nas refeições, tome no máximo meio copo de água. No barzinho ou no restaurante, vá de sucos pouco calóricos, como maracujá e limão com adoçante.

5ª semana: mais fruta, menos fome

As frutas frescas são cheias de vitaminas, minerais e fibras. Ou seja, alimentam e enganam a fome. Coma de três a quatro porções por dia, variando os tipos e inclua sempre uma cítrica (laranja, mexerica, limão) para melhorar a absorção do ferro presente nos outros alimentos.
Tática: substitua o doce da sobremesa por uma fruta e economize um montão de calorias. Se detesta fruta, comece com as desidratadas, que são bem docinhas.

6ª semana: a vez dos integrais

Seu organismo gasta mais calorias para digerir os produtos integrais do que os refinados. Quer mais? As fibras presentes especialmente nos grãos e nas farinhas integrais melhoram o funcionamento do intestino, varrem as toxinas do corpo e aumentam a sensação de saciedade, já que tornam a digestão mais lenta.
Tática: troque o pão branco pelo integral, de centeio ou de aveia, de preferência, light. Depois, faça o mesmo com o arroz e o macarrão. Acrescente grãos (soja, cevadinha, grão-de-bico) nas saladas; aveia nas sopas; granola no iogurte; gérmen de trigo nos sucos ou nas frutas picadas.

7ª semana: chocolate pela metade

Esse é o tipo de alimento que na medida certa faz bem: a todo momento surgem estudos comprovando que o polifenol, substância presente no chocolate, protege o coração, reduz o colesterol ruim, combate o envelhecimento precoce. Em excesso, a gente já sabe…
Tática: em vez de comer uma barra inteira, coma metade mais uma maçã ou uma fatia de mamão. A fruta vai ajudá-la a chegar a poucos quadradinhos por dia. Barrinhas de cereais e frutas secas cobertas com chocolate também matam o desejo e têm inúmeras calorias a menos.

8ª semana: lanches mais saudáveis

A mania de comer biscoito, bala e docinhos o tempo inteiro é um perigo para a dieta. Veja só: 1 bombom + 50 g de ovinhos de amendoim + 3 balas + 3 biscoitos recheados = 553 calorias, mais de 1/3 do que deveria consumir num dia inteiro.
Tática: se você ama doce, na hora do lanche procure trocar o biscoito recheado por ameixa, banana ou damasco seco. Se não vive sem salgado, vá de sanduíche de pão integral com peito de peru assado. Outras opções gostosas: iogurte light com frutas; um punhado de amêndoas cruas sem sal; 1 água de coco com 2 torradas integrais; um capuccino com leite desnatado.

9ª semana: mastigue, mastigue e mastigue

Quanto mais você mastigar os alimentos, melhor para a digestão e para espantar os quilos extras. A saciedade tem a ver com o tempo que levamos para comer. A partir de 20 minutos de mastigação, o cérebro começa a receber mensagens de que o corpo já está satisfeito. Se terminar a refeição antes desse tempo, vai querer repetir o prato.
Tática: a cada garfada, descanse os talheres ao lado do prato enquanto mastiga. Você também pode contar o quanto mastiga cada garfada: 20 vezes é um bom número.

10ª semana: 50% menos gordura

Você não vive sem batata frita? Não precisa eliminá-la da sua vida, mas também não leve-a ao prato todo dia. Reserve as frituras para os fins de semana e corte a quantidade pela metade.
Tática: em casa, mude a forma de preparo. No lugar de mergulhar os alimentos na frigideira, leve-os ao forno. A dica serve para o bife e os filés de peixe e de frango.

11ª semana: verde antes de tudo

Você pode comer folhas à vontade: são levíssimas e têm um montão de vitaminas e fibras. Um prato só delas antes do almoço vai ocupar seu estômago e diminuir as chances de atacar alimentos que engordam. Para temperar, use uma colher de chá de azeite com limão e pouco sal; mostarda; shoyu light, vinagre ou molho de iogurte.
Tática: rúcula, agrião, escarola, acelga e alface podem ser consumidos refogados, picadinhos nas sopas, na carne moída, no frango de panela, no recheio das tortas, massas e panquecas e até nos sucos – só evite coá-los para manter as fibras intactas.

12ª semana: jantar até as 20h

Quando dormimos, o metabolismo desacelera e a gente consome menos energia. Quanto mais próximo da hora de dormir você jantar, maior o risco de armazenar gorduras. O ideal é comer pelo menos duas horas antes de ir para a cama: se isso acontece por volta das 22 h, jantar às 20h é uma boa pedida.
Tática: quando for impossível comer mais cedo, faça um prato mais leve, com salada, vegetais cozidos e carnes brancas magras, de preferência grelhadas ou tome uma sopa de legumes – mas nunca deixe de jantar.
Fonte:Boa Forma
Professor Edgar Bom Jardim - PE

terça-feira, 20 de março de 2018

Laboratório particular faz exame para diagnosticar casos de dengue em Bom Jardim

O LACEC agora dispõe de exames específicos para diagnóstico de DENGUE. E o melhor: você recebe seu resultado no mesmo dia! Dengue é coisa séria, não deixe para depois. Fone: 9.9591-3067.

Professor Edgar Bom Jardim - PE

domingo, 21 de janeiro de 2018

Comer carboidratos no jantar é realmente prejudicial?

MassaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionComer carboidratos à noite é pior para a saúde do que comê-los durante o dia?
Em janeiro, muita gente sobre na balança e decide começar uma dieta. Mas de que tipo?
Dietas low-carb, ou seja, baseadas no consumo de pouco carboidratos, entraram na moda nos últimos anos. Elas são baseadas na crença de que comer muito carboidrato, especialmente na forma de alimentos como pão branco, arroz e macarrão, engorda e é ruim para a saúde.
A lógica é a de que se você come muitos carboidratos simples e açúcares, que são rapidamente absorvidos pelo corpo, seu nível de glicose no sangue vai subir logo em seguida.
A não ser que vocês gaste essa glicose fazendo exercícios, seu pâncreas vai liberar altas quantidades de insulina para normalizar a quantidade de açúcar no sangue. E a insulina faz isso armazenando o açúcar em excesso em forma de gordura.
Muita gordura – especialmente no abdômen – pode levar a problemas sérios de saúde, como diabetes do tipo 2.
As pessoas acabam se preocupando tanto com a quantidade de carboidratos consumidos quanto com o momento em que eles são ingeridos. Existe a crença, por exemplo, de que comê-los à noite é pior do que comê-los no café da manhã.
Isso seria porque, ao comer pela manhã, você gastaria ao longo do dia a glicose produzida a partir dos carboidratos que ingeriu. Quando você come à noite, seu corpo está se preparando para dormir, então a tendência seria de armazenar essa energia.
Essa é a teoria. Mas é verdade?
Dia x noite
No programa da BBC Trust Me I'm a Doctor (Confie em Mim, Sou Médico), começamos um pequeno estudo sobre isso com a ajuda do médico Adam Collins, da Universidade de Surrey.
Recrutamos voluntários saudáveis para ver como seus corpos lidariam com comer sua porção diária de carboidratos na manhã ou à noite. Também queríamos ver se seus corpos se adaptariam ao longo do tempo.
Todos os voluntários comeram uma quantidade fixa de legumes, pão e macarrão ao longo do dia. Eles comeram a maior parte dos carboidratos durante a manhã por cinco dias. Depois comeram normalmente durante cinco dias, antes de trocar para um dieta em que a maior parte do carboidrato foi consumida no jantar.
A equipe de Collins monitorou o nível de açúcar no sangue durante todo esse tempo.
"Sempre achei que fazia sentido que o processamento de carboidratos fosse de fato melhor se eles fossem consumidos antes de um dia inteiro de atividades", diz o médico. "Então, eu esperava que, quando os carboidratos fossem consumidos de manhã, fosse mais fácil para o corpo lidar com eles."
"Mas não sabemos o que realmente acontece se você fizer uma dieta comendo mais carboidratos à noite. Não existem muitos estudos sobre isso."
torradasDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO importante é manter uma rotina de alimentação e não abusar de carboidratos em toda refeição
Quando os pesquisadores mediram a glicose dos voluntários depois do tempo comendo carboidratos de manhã, viram que o nível estava em 15,9 unidades, mas ou menos como previsto.
Mas quando fizeram o mesmo teste depois de cinco dias com uma dieta cheia de pães, massas e legumes à noite, mas com pouco carboidrato durante o dia, o nível de açúcar tinha caído para 10.4 unidades, muito abaixo do esperado.
Então o que aconteceu? Bom, pode ser que o que mais importe não seja quando você come carboidratos, mas o tempo antes de comer que você fica sem eles. Se você teve um grande intervalo desde sua última refeição rica nesse nutriente, seu corpo estará mais preparado para processá-lo.
Isso acontece naturalmente durante as manhãs, porque você ficou sem comer nada durante todo o período em que esteve dormindo.
Nosso pequeno estudo sugere que, se você não comer muitos carboidratos durante a maior parte do dia, o efeito pode ser o mesmo.
Em outras palavras, depois de alguns dias com cafés da manhã e almoços low carb e jantares com massas e pães, seu corpo se adapta e se tornar melhor em lidar com uma dieta cheia de carboidratos à noite.
Agora, Collins está começando um estudo muito maior, que deve dar respostas mais concretas. Nesse meio tempo, o conselho dele é não se preocupar com o momento em que você come carboidratos, mas com manter uma rotina estável e não se empanturrar com eles em toda refeição.
Tudo indica que a questão é ter picos e momentos de "jejum" desse ingrediente. Ou seja, se você come muito pão à noite, tente minimizar seu consumo de manhã. Por outro lado, se você se encheu de torradas no café da manhã, tente fugir do macarrão no jantar.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Pau D’arco – Benefícios e propriedades.

Também conhecido como Ipê Amarelo, o Pau D’arco é uma planta com utilidades, benefícios e propriedades na medicina alternativa. De nome científico Tabebuia serratifolia, as aplicações dessa árvore como planta medicinal são diversas. Trata-se de uma planta muito utilizada pela Naturopatia em Portugal, está disseminada por todos os países latinos da América do Sul e Central, nos quais é denominada lapacho. A casca interna de pau d’Arco produz um chá um agradável de aroma e cor avermelhada. Devido às vantagens dos dois fitoquímicos lapachol e beta-lapachona encontrados neste casca, o chá ou tintura é benéfico para uma várias doenças.

A utilização nas leucemias e outros cancros remonta a tratamentos realizados por médicos e naturopatas brasileiros na década de 60, no seguimento da sua ampla utilização por várias tribos de índios da Amazônia brasileira e peruana. A planta pau d’arco possui ação antibiótica e por isso é eficaz no tratamento e prevenção de gripes, amigdalites, infecções urinárias e bronquites. É muito utilizada em pacientes que estão fazendo quimioterapia, pois ajuda a reduzir os efeitos secundários dessa técnica, além de também cumprir papel de estimulante do sistema imunológico.
Seus benefícios são possíveis devido às propriedades que incluem ação como antitumoral, anti-inflamatório, imunoestimulante, diurético, antiviral, antioxidante e antibiótico. Entre seus princípios ativos encontramos derivados naftoquinónicos – como lapachol, que possui propriedades antitumorais e estimulante na morte das células cancerígenas, anti-inflamatórias, imunoestimulantes, diuréticas e antivirais –, além da quinona, responsável por estimular o fígado na produção de protrombina, auxiliando na coagulação sanguínea. Além disso, possui ainda flavonoides, que possui ação antioxidante, anti-inflamatória e antialérgica.
Tem uma ação antibiótica, sendo por isso aconselhado como coadjuvante no tratamento e prevenção de gripes, amigdalites, infecções urinárias e bronquites. Pela sua ação regeneradora dos tecidos e hemostática é muito utilizado na cicatrização de feridas externas ou internas (úlceras de estômago ou duodeno). Também é em candidíase, infecção na próstata, miomas no útero e quistos nos ovários.
Entre seus benefícios ainda estão infecção por HIV, amigdalite, infecção urinária, mioma, cisto nos ovários, bronquite, candidíase, infecção na próstata, além de agir como um cicatrizante para feridas internas e externas. Curandeiros tradicionais do Caribe usavam as folhas e a casca para tratar feridas, dor nas costas, dor de dentes, e mordida de cobra. Os povos indígenas tradicionalmente utilizam o Pau D’arco como um tratamento para a malária, colite, problemas respiratórios, resfriados, tosse, gripe, febre, câncer, lupus, doenças infecciosas, inflamação da próstata, doenças sexualmente transmissíveis, furúnculos e úlceras.
É eficaz no cuidado das anemias. Aumenta a produção de glóbulos vermelhos e da respectiva hemoglobina por um estímulo na médula óssea vermelha. Esta acção também conduz a uma maior produção de glóbulos brancos. É amplamente utilizada em paciente oncológicos a fazerem quimioterapia, de forma a reduzir os efeitos secundários desta terapêutica e, concomitantemente, estimular o sistema imunitário a lutar contra a patologia.
No entanto, até o momento ainda não se sabe como funciona o mecanismo que mata as células cancerígenas. “Basicamente, descobrimos o mecanismo de ação do beta-lapachone e uma forma de utilizar o remédio num tratamento individualizado”, disse David Boothman, professor do Centro Oncológico Integral Harold Simmons e autor principal do estudo.

Quais as diferentes formas do Pau D’arco ?

O Pau D’arco existe em diferentes tipos, na forma de comprimidos, xaropes e tintura, siga sempre as instruções de seu médico. É essencial que antes de consumir medicamentos, sejam naturais ou industrializados, você procure o seu médico, pois de uma forma geral, eles possuem reações negativas, efeitos colaterais e interações medicamentosas.

Onde pode ser encontrado o Pau D’arco ?

O Pau D’Arco pode ser encontrado para venda em lojas de produtos naturais tanto físicas(como farmácia de manipulação, por exemplo), quanto online, dependendo da disponibilidade da sua cidade. Lembre-se que os tratamentos naturais nunca devem substituir o tratamento indicado por um médico.

Modo de preparação do Pau D’arco:

A forma de consumo da planta é como chá feito com as cascas.
pau d'arco- benefícios e propriedades
Para preparar você vai precisar de:
  • ½ colher de sopa de Pau D’Arco
  • 1 xícara de água fervente
Em um recipiente, coloque a água e leve ao fogo. Quando alcançar fervura, desligue. Na xícara, coloque a erva e cubra com a água fervente. Tampe e deixe em repouso por cerca de dez minutos. Passado este tempo, coe e consuma em uma dose de uma xícara duas vezes ao dia.

Contraindicações e cuidados com o consumo do Pau D’arco:

Indicamos que, sempre antes de consumir medicamentos, mesmo que naturais, você consulte um médico, pois cada paciente possui um organismo diferente que deve ser analisado por um profissional. O consumo é contraindicado para mulheres gestantes ou em fase de amamentação, e crianças menores de 12 anos.
Entre os efeitos colaterais do consumo deste chá, estão a urticária, tonturas, náuseas, vômitos e diarreia. Quando tomado por via oral, o Pau D’arco pode interagir com medicamentos antiplaquetários e anticoagulantes, aspirina ou outros medicamentos para diluir o sangue, levando a um aumento do risco de hemorragia. Este pode aumentar o risco de hemorragia em pacientes com hemofilia ou outros problemas de coagulação. A casca de pau d’arco pode sensibilizar a pele e as reações alérgicas são também uma possibilidade. O consumo requer bastante cuidado e atenção !
Foto:Cilene Nunes. Bom Jardim - PE.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Dicas de Saúde: as 5 dietas dos famosos que você deve evitar em 2018, segundo especialistas em nutrição

Frutas e verdurasDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionAnualmente, sociedade dietética britânica elege cinco dietas que, embora popularizadas por celebridades, devem ser evitadas por fazerem mais mal do que bem
Comida vegana crua combate a obesidade? Suplementos nutricionais podem substituir uma refeição? Uma dieta de alimentos alcalinos melhora o pH do sangue?
Segundo a Associação Dietética Britânica (BDA, na sigla em inglês), a resposta às três perguntas acima é "não", apesar de essas premissas embasarem algumas das dietas mais populares da atualidade - popularidade que vem da difusão nas redes sociais e do endosso de celebridades.
Com base no que é divulgado na imprensa e na internet, a BDA elege anualmente cinco dietas que prometem saúde e emagrecimento, mas devem ser evitadas porque podem trazer justamente o contrário, segundo os especialistas da associação.
Veja quais são as escolhidas em 2017, por que elas são criticadas e o que dizem seus defensores:

1. Dieta crudívora

Gwyneth PaltrowDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionGwyneth Paltrow é apontada como uma das seguidoras da dieta crudívora
A dieta baseada em alimentos veganos e crus ganhou supostos adeptos como a atriz e empresária Gwyneth Paltrow e o cantor Sting prometendo a perda de peso e uma limpeza no organismo.
O cardápio crudívero incluiria alimentos que não foram modificados, enlatados, processados quimicamente ou aquecidos a mais de 48ºC. Defensores argumentam que o aquecimento destrói algumas enzimas naturais e alguns nutrientes dos alimentos.
Mas a BDA questiona os benefícios disso. "Uma dieta vegana bem planejada com suplementos necessários, como vitamina B12 e D, pode até ser saudável, mas não garante a perda de peso", diz comunicado da associação.
"Comidas veganas geralmente contêm as mesmas calorias das não veganas. (...) Embora alguns alimentos sejam benéficos quando consumidos crus, outros são mais nutritivos quando cozidos - como cenouras - e outros nem sequer podem ser comidos crus, como batatas. Não há motivo para acreditar que o alimento cru seja inerentemente melhor. (A dieta) pode não prejudicar seu corpo no curto prazo, mas fazê-lo a longo prazo caso não seja balanceada."
Além disso, por se tratar de uma dieta extremamente restritiva, ela é difícil de ser seguida e não é adequada para crianças ou mulheres grávidas, por exemplo.
E, para alguns especialistas, a evolução fez com que perdêssemos algumas enzimas para digerir certos alimentos crus. Sob essa interpretação, nosso corpo simplesmente não aguenta, no longo prazo, uma dieta sem comidas cozidas.

2. Dieta alcalina

LimãoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionLimão é uma das estrelas da dieta alcalina
Essa dieta se baseia na ideia de que consumir mais alimentos alcalinos - frutas como o limão, além de alho, batata, alguns legumes e cereais - e menos ácidos ajuda a mudar o pH (índice que mede acidez, alcalinidade ou neutralidade) do sangue e até mesmo tratar câncer e osteoporose.
No entanto, segundo a BDA, essa ideia parte de um falso entendimento sobre a fisiologia humana: o pH dos alimentos não impacta o pH do sangue.
"Nosso corpo é perfeitamente capaz de manter o sangue dentro de um espectro bem específico de pH (entre 7,35 e 7,45). Se ele não conseguir fazer isso, você ficará doente rapidamente e pode morrer se não for tratado. Dietas alimentares podem mudar o pH da urina, mas isso não está relacionado ao pH do sangue, que não é afetado pela alimentação", diz.
A conclusão da associação é de que a dieta alcalina pode resultar em perda de peso por favorecer a ingestão de mais vegetais e cortar alimentos processados - mas isso não tem nada a ver com a alcalinidade ou acidez da comida.

3. Dieta de suplementos nutricionais de Katie Price

Katy PriceDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionCelebridade britânica Kate Price tem uma linha de shakes que substituem refeições, forma 'insustentável' de perder peso, segundo BDA
A modelo e apresentadora britânica Katie Price tem promovido uma série de shakes desenvolvidos para substituir refeições, descritos como saborosos, com baixo índice de gordura e com nutrientes essenciais e apenas 185 calorias. Prometem perda de peso e tonificação muscular, mas sem explicar bem como isso ocorreria cientificamente.
A BDA torce o nariz para substitutos de refeições e supressores de apetite como esse - vistos pela associação mais como uma forma de ganhar dinheiro do que de promover a saúde.
"A perda rápida de peso (promovida por shakes) pode ser motivadora, mas é insustentável", diz a associação. "Supressores de apetite não são saudáveis, recomendáveis nem um modo sustentável de perder peso. (...) Produtos que substituem refeições funcionam pela restrição da ingestão de calorias e não precisam ser parte de um projeto saudável de perda de peso."
Para Sarah Coe, da Fundação Britânica de Nutrição (BNF, na sigla em inglês), "os substitutos de refeições podem ser úteis para pessoas que têm muito peso a perder, mas sempre devem ser usados sob supervisão de um profissional da saúde".
A empresa Katie Price Nutrition foi contactada pela BBC, mas não quis comentar.

4. Dieta de Pioppi

A dieta de Pioppi (nome de uma cidade italiana de população extremamente longeva) promove alguns princípios da dieta mediterrânea para perder peso e reduzir o risco de diabetes tipo 2, mas com algumas modificações - que não agradaram a BDA.
Seus criadores, Aseem Malhotra e Donal O'Neill, recomendam refeições com poucos carboidratos e mais gorduras, além da ingestão de frutas, verduras, peixes, azeite de oliva, álcool com moderação e a prática de exercício físico. Eles sugerem evitar carne vermelha, carboidratos e açúcar.
Salada mediterrâneaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionDieta de Pioppi se baseia nos princípios da alimentação mediterrânea, com algumas modificações
De fato, as recomendações a uma alimentação com frutas e vegetais abundantes, peixes e azeite de oliva estão em linha com diretrizes oficiais de dietas saudáveis. Mas a BDA ressalta que a dieta de Pioppi tem diferenças importantes em relação à mediterrânea.
"Os autores talvez sejam as únicas pessoas do planeta que viajaram à Itália e voltaram com uma dieta que exclui massas, arroz e pães - mas inclui coco -, talvez por eles defenderem uma agenda de baixa ingestão de carboidratos", diz a associação.
"É ridícula a ideia de que essa aldeia italiana deva ser associada a receitas como pizza à base de couve-flor, um substituto de arroz também feito de couve-flor ou qualquer coisa usando óleo de coco. (A dieta) também estimula as pessoas a passarem fome durante 24 horas em determinados momentos da semana. (...) A dieta mediterrânea tradicional é saudável, mas foi sabotada (pela dieta de Pioppi)."
Mas Malhotra, um dos autores da dieta de Pioppi, que é médico cardiologista e assessor do Fórum Britânico de Obesidade, defende que sua dieta "é uma avaliação independente, que combina os segredos de um dos povos mais saudáveis do mundo com as mais recentes investigações médicas, nutricionais e de exercícios para desmascarar muitos dos mitos das indústrias da perda de peso e da saúde".
Ele agrega que a dieta "recebeu o respaldo de diversos importantes médicos internacionais" e questiona "os vínculos financeiros e a influência de empresas alimentícias na BDA".
"Na minha opinião, não se pode confiar neles como fonte independente de assessoramento dietético", afirma Malhotra.
Em resposta, um porta-voz da BDA afirmou que "a análise que publicamos sempre se baseia em provas e não é afetada pelas relações que temos com produtores de alimentos".

5. Dieta cetogênica

Kobe BryantDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionDieta cetogênica teria conquistado seguidores como o atleta americano Kobe Bryant
Diversas celebridades foram associadas à dieta cetogênica, como a estrela de reality shows Kim Kardashian, o atleta Kobe Bryant e o ator Alec Baldwin.
A premissa é consumir poucos carboidratos (e estes provenientes de vegetais sem amido, de nozes e sementes), bastante gordura e proteínas com moderação.
O objetivo é levar o corpo a um estado de "cetose": diante da ausência de glicose dos carboidratos, ele queimaria gordura para produzir energia.
"O perigo é que alguns (defensores) dizem que a dieta pode prevenir diferentes tipos de câncer, o que simplesmente não é verdade", afirma a BDA.
"Uma dieta cetogênica cuidadosamente planejada por um especialista pode ser eficiente em tratar pessoas com epilepsia. Para a perda de peso, não há mágica. Essa dieta funciona como qualquer outra ao cortar calorias e remover alimentos que as pessoas tendem a comer demais. (...) (Mas) nunca é uma boa ideia restringir demais algum grupo alimentar (inclusive o de carboidratos), porque isso dificulta que se alcance uma dieta balanceada quanto a vitaminas, minerais e fibras."
A associação agrega que a dieta cetogênica pode até resultar na perda de peso no curto prazo, mas é de difícil sustentação e pode causar sensação de falta de energia, náusea, problemas de sono, desconforto digestivo e mau hálito, entre outros males.

Homem se pesa na balançaDireito de imagemGETTY IMAGES

Para perder peso com saúde

"Quando vemos uma celebridade com uma aparência fabulosa e uma vida aparentemente maravilhosa, afirmando que isso se deve à dieta da moda, é muito tentador acreditar que existe uma fórmula mágica para mudar nossas vidas", afirma Sian Porter, porta-voz da BDA.
"A verdade é que a maioria das celebridades têm uma equipe de profissionais e assessores preparando sua comida, monitorando seus exercícios físicos, escolhendo suas roupas, fazendo sua maquiagem e assegurando que elas estejam sempre lindas. Na realidade, se algo soa bom demais para ser verdade, provavelmente é. Sempre busque evidências (científicas) e siga conselhos de pessoas qualificadas, sujeitas a regulamentação e que não tenham nada a vender ou promover."
A BDA também dá algumas recomendações sobre como perder peso sem deixar de lado uma dieta saudável:
- Mantenha um diário dos alimentos consumidos e seu estado de ânimo, para tentar identificar se há alguma relação entre ambos
- Faça uma lista de atividades que possam te distrair da vontade de comer guloseimas
- Estabeleça metas realistas: começar perdendo 5% a 10% de seu peso pode ter grandes benefícios à saúde, se você de fato estiver acima do peso
- Evite comer enquanto assiste TV ou faz outras atividades, já que isso pode fazer você comer mais do que precisa
- Divida o prato: uma metade com verduras ou salada; o outro, com proteínas e carboidrato. Fonte:BBC.
Professor Edgar Bom Jardim - PE