Mostrando postagens com marcador Escola Justulino. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Escola Justulino. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Paulo Henrique da Silva, da EREM Justulino Ferreira Gomes é destaque no Programa Jovens Senadores



Na manhã desta quinta-feira (23) o secretário de Educação do Estado, Fred Amancio, recebeu em audiência os vencedores dos programas Jovens Senadores e Jovens Embaixadores. Participaram da solenidade parentes, amigos, professores e gestores de escolas. Na ocasião, Amancio entregou brindes e certificados aos classificados do 10º Concurso de Redação do Senado Federal e dos representantes do estado no intercâmbio nos Estados Unidos.
O 10º Concurso de Redação do Senado Federal/Jovem Senador, que teve o tema “Brasil Plural: para falar de intolerância”, mobilizou 11.528 estudantes em todo estado. Destas, 101 foram inscritas e três foram escolhidas. O projeto leva o vencedor para Brasília para que possa vivenciar o trabalho dos senadores. A representante de Pernambuco será a estudante Willyane Fernanda Barbosa, da Escola de Referência em Ensino Médio (EREM) Professor Antônio José Barboza dos Santos, que ganhou o programa com a redação “O Mal da Ignorância”.
“Eu resolvi me inscrever no programa porque me destaco nas redações e queria tentar uma coisa diferente. Sempre gostei de política e até já participei da Conferência da Juventude em Brasília. Saber como se faz as leis, conhecer a rotina dos senadores e ver as votações será muito interessante”, disse Willyane. O segundo lugar ficou com Paulo Henrique da Silva, da EREM Justulino Ferreira Gomes, com a redação “Conhecer Eu Para Acabar com a Intolerância”. Já o terceiro lugar foi para Estevão Teixeira Gomes, da EREM Beberibe, com a redação “Bendita Geni”.
No Jovens Embaixadores, da embaixada dos Estados Unidos no Brasil, houve um registro de 1966 inscrições. Um recorde para o programa. Dois estudantes da Rede Pública Estadual foram selecionados para participar do projeto que irá proporcionar a interação com jovens da sua idade, atividades culturais, de responsabilidade social e de empreendedorismo e liderança e fazer apresentações sobre o Brasil.Abraão José da Silva, da EREM Santos Dumont, e Alice Aurora de Melo, da Escola de Aplicação Ivonita Alves Guerra, foram os selecionados para participar do intercâmbio. “Já tinha tentado duas vezes e essa era minha última chance para entrar no programa. Isso empodera as pessoas, incentiva os estudantes a entender que por meio do seu esforço é possível conseguir o que queremos” afirmou Alice.
“Estou muito ansioso para ter essa experiência. Participar desse projeto vai mudar minha visão de mundo e vai proporcionar várias oportunidades profissionais. Isso também me deixa muito motivado para continuar fazendo o trabalho voluntário” expressou Abraão José.


Fred Amancio parabenizou os estudantes e falou do sentimento de poder proporcionar essas oportunidades para os estudantes. “Nós ficamos muito contentes porque conseguimos perceber que não estamos formando apenas jovens que têm conhecimentos em algumas matérias, mas que estamos formando cidadãos preparados para a vida. Isso mostra o quanto estamos preocupados para que entrem nas universidades e sigam no mercado de trabalho. Esses programas mostram que todos estão preparados para enfrentar qualquer desafio” relatou.
Com informações da Secretaria de Educação PE.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Lutas que devem continuar

A escola é o espaço essencial para formação do cidadão. Quando a escola, a educação, o professor e a comunidade não faz a lutas pelo que é bom, o mal vai triunfar e só haverá tristeza, desigualdade, tragédias para gerações futuras. O Brasil da corrupção que vivemos hoje é reflexo da covardia de muitos no passado e no presente. Quais serão as consequências? A selva, o salve-se quem poder? 
Como é bom ter a consciência de que fizemos a boa luta, o bom combate promovendo cidadania, e justiça social por meio da educação.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Ciranda: arte, educação física, cultura pernambucana, linguagens e suas tecnologias


Professor Edgar retoma a ciranda na escola EREM Justulino Ferreira Gomes em 2012. Todo mundo curti essa dança na atualidade.
É uma dança típica das praias que começou a aparecer no litoral norte de Pernambuco. Uma das cirandeiras mais conhecidas é a Lia de Itamaracá. Surgiu também, simultaneamente, em áreas do interior da Zona da Mata Norte do Estado. É muito comum no Brasil definir ciranda como uma brincadeira de roda infantil, porém na região Nordeste e, principalmente, em Pernambuco ela é conhecida como uma dança de rodas de adultos. Os participantes podem ser de várias faixas etárias, não havendo impedimentos para a participação de crianças também.
Há várias interpretações para a origem da palavra ciranda, mas segundo o Padre Jaime Diniz, um dos pioneiros a estudarem o assunto, vem do vocábulo espanhol zaranda, que significa instrumento de peneirar farinha e que seria uma evolução da palavra árabe çarand.
A ciranda, assim como o coco em Pernambuco, era mais dançada nas pontas-de-rua e nos terreiros de casas de trabalhadores rurais, partindo depois para praças, avenidas, ruas, residências, clubes sociais, bares, restaurantes. Em alguns desses lugares passou a ser um produto de consumo para turistas.

É uma dança comunitária que não tem preconceito quanto ao sexo, cor, idade, condição social ou econômica dos participantes, assim como não há limite para o número de pessoas que dela podem participar. Começa com uma roda pequena que vai aumentando, a medida que as pessoas chegam para dançar, abrindo o círculo e segurando nas mãos dos que já estão dançando. Tanto na hora de entrar como na hora de sair, a pessoa pode fazê-lo sem o menor problema. Quando a roda atinge um tamanho que dificulta a movimentação, forma-se outra menor no interior da roda maior.

Os participantes são denominados de cirandeiros e cirandeiras, havendo também o mestre, o contra-mestre e os músicos, que ficam no centro da roda. Voltados para o centro da roda, os dançadores dão-se as mãos e balançam o corpo à medida que fazem o movimento de translação em sentido anti-horário. A coreografia é bastante simples: no compasso da música, dá-se quatro passos para a direita, começando-se com o pé esquerdo, na batida forte do bombo, balançando os ombros de leve no sentido da direção da roda. Há cirandeiros que acompanham esse movimento elevando e baixando os braços de mãos dadas. O bombo ou zabumba, mineiro ou ganzá, maracá, caracaxá (espécie de chocalho), a caixa ou tarol formam o instrumental mais comum de uma ciranda tradicional, podendo também ser utilizados a cuíca, o pandeiro, a sanfona ou algum instrumento de sopro.

O mestre cirandeiro é o integrante mais importante da ciranda, cabendo a ele "tirar as cantigas" (cirandas), improvisar versos, tocar o ganzá e presidir a brincadeira. Ele utiliza um apito pendurado no pescoço para ajudá-lo nas suas funções. O contra-mestre pode tocar tanto o bombo quanto a caixa e substitui o mestre quando necessário. As músicas podem ser as já decoradas, improvisadas ou até canções comerciais de domínio público transformadas em ritmo de ciranda. Pode-se destacar três passos mais conhecidos dos cirandeiros: a onda, o sacudidinho e o machucadinho. Alguns dançarinos criam passos e movimentos de corpo, mas sempre obedecendo a marcação que lhes impõe o bombo. Não há figurino próprio. Os participantes podem usar qualquer tipo de roupa e a ciranda é dançada durante todo o ano.

A partir da década de 70 as cirandas começaram a ser dançadas em locais turísticos do Recife, como o Pátio de São Pedro e a Casa da Cultura, modificando um pouco a dança que se tornou mais um espetáculo. O mestre, contra-mestre e músicos saíram do cento da roda para melhor se adaptarem aos microfones e aparelhos de som, passando também a haver limite de tempo para a brincadeira. Compositores pernambucanos como Chico Science e Lenine enriqueceram seus repertórios, utilizando a ciranda nos seus trabalhos.

Uma das cirandas mais conhecidas é a de Antônio Baracho da Silva:

Estava
Na beira da praia
Ouvindo as pancadas
Das águas do mar
Esta ciranda
Quem me deu foi Lia
Que mora na ilha
De Itamaracá


Recife, 12 de novembro de 2004.
(Atualizado em 25 de agosto de 2009).
Ilustrações de Rosinha.




FONTES CONSULTADAS:

BRINCANTES. Recife: PCR, Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2000. p. 108-112.

LIMA, Claudia. História junina. Recife: PCR, Secretaria de Turismo, 1997. p. 18.  Edição Especial.

PELLEGRINI FILHO, Américo. Danças folclóricas. São Paulo: Universidade Mackenzie, 1980. p. 47-51.

RABELLO, Evandro. Ciranda. In: SOUTO MAIOR, Mário; VALENTE, Waldemar (Org.). Antologia pernambucana de folclore 1. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1988. p. 55-61.


COMO CITAR ESTE TEXTO:

Fonte: GASPAR, Lúcia. Ciranda. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Secretário de Educação de Pernambuco visita EREM Justulino Ferreira Gomes

Pactuando metas e solicitando intervenções. 

A EREM Justulino recebendo a comitiva da Secretaria de Educação: Dr. Fred Amâncio e gerentes setoriais.

Estudantes EREM Justulino Ferreira Gomes, foram destaque  de Bom Jardim nas provas do ENEM. Foram até o presente 18 aprovações para  UPE e  Federais  de Pernambuco e Paraíba. Quem estuda consegue ser feliz e ter sucesso. 
A escola terá sua quadra coberta neste ano de 2016. Também há sinalização da conclusão do auditório e refeitório do educandário. Estudantes, professores, funcionários,  Paula França, gestora e o Prefeito Miguel Barbosa recepcionaram o Secretário de Educação de Pernambuco, nesta quinta-feira 25 de fevereiro.

Reunião de Pactuação das metas 2016 p escolas Gre Vale Do Capibaribe com nosso Secretário de Educação Dr. Fred Amâncio e equipe, visitamos Escola Ana Faustina - Surubim, EREM Justulino Ferreira Gomes e Escola Ginásio de Limoeiro, dia muito produtivo.



Fotos: EREM Justino/ GRE Vale do Capibaribe.

Professor Edgar Bom Jardim - PE

domingo, 30 de agosto de 2015

Paulo Câmara com Isamara Gomes e Paula França.

Estudantes de Bom Jardim e Pernambuco Ganham o Mundo.

Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 15 de agosto de 2015

EREM JUSTULINO FERREIRA GOMES PROMOVE I SEMANA DAS LINGUAGENS


Com o objetivo de incentivar o hábito pela leitura de clássicos da literatura, a EREM Justulino Ferreira Gomes- GRE Vale do Capibaribe realiza de 10 a 14 de agosto a I Semana das Linguagens. Os professores João Aires, Elizabeth Pedrosa, Edeny Vasconcelos e Joseilda Oliveira organizaram uma programação bem diversificada para os estudantes, explorando o tema “ Os perfis femininos na literatura e outras linguagens artísticas.”

Durante a Semana, um momento importante foi a inauguração das novas instalações da Biblioteca Manuel Mendes, coordenada pela Profª Maria Gomes que vivenciou o projeto “Um Tributo a Manuel Mendes, nosso Patrono”. A partir de agora os estudantes da EREM Justulino têm um espaço que convida à leitura, a biblioteca está adequada para propiciar momentos prazerosos de leitura.

Atividades que envolveram todos os estudantes da escola forma realizadas durante os projetos como: entrevista com o escritor Manuel Mendes, concursos de redações, frases e ilustrações, além da exposição dos diversos perfis de mulheres através de recriações de pinturas e obras literárias em versos ou prosa, inclusive trecho da obra “Romeu e Julieta” em idioma de origem.

Momentos como este são muito importantes, pois oportunizam aos estudantes debate e reflexão, além de proporcionar aos jovens diferentes formas de leitura.

Por Maria Gomes da Costa.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 28 de maio de 2015

EREM Justulino Ferreira Gomes realiza III Semana das Ciências - Ser humano:Evoluindo ou caminhando para a extinção?

Fotos: Roniérica Lima.

Objetivando a discussão, a pesquisa cientifica, o desenvolvimento de habilidades, competências e o despertar do protagonismo juvenil. A EREM Justulino Ferreira Gomes realiza no período de 25 a 29/05 a III Semana das Ciências - Ser humano:Evoluindo ou caminhando para a extinção?
Cuja as atividades estão descritas no cronograma abaixo.A: 25/05/2015 –Tarde
PALESTRA: “ Ser Humano: Evoluindo ou caminhando para a extinção?”
Palestrante: Doutoranda Maria das Dores Pereira Gomes.
Horário: 13:00 horas.
TERÇA: 26/05/2015
EXCURSÃO: Refúgio Charles Darwin (Igarassu) e Forte Orange (Itamaracá).
Público: Estudantes dos 2º Anos A, B e C.
QUARTA: 27/05/2015 - Manhã
DOCUMENTÁRIO: As 100 maiores descobertas da Química.
QUARTA: 27/05/2015 - Tarde
AULA PRÁTICA: Experimentos Físicos
Professora: Anita da Conceição Duarte Xavier Ribeiro
QUINTA: 28/05/2015 - Manhã
1ª e 2ª Aulas: Apresentação de trabalhos do 2º Ano A (Seres vivos em extinção);
3ª Aula: Apresentação de trabalhos do 2º Ano B (Seres Vivos em extinção);
4ª e 5ª Aulas: Apresentação de trabalhos do 3º Ano B (Combustíveis renováveis e não renováveis);
QUINTA: 28/05/2015 – Tarde
2ª e 3ª Aulas: Apresentação de trabalhos do 3º Ano C (Combustíveis renováveis e não renováveis);
4ª e 5ª Aulas: Apresentação de trabalhos do 3º Ano A (Combustíveis renováveis e não renováveis);
PALESTRA: “ Anatomia ocular e lentes corretoras”.
Palestrantes: José Roberto Barbosa dos Santos e Roberto Keilielson.
Horário:13:00 horas
SEXTA: 29/05/2015 – Manhã
Concurso de fotografias.
SEXTA: 29/05/2015 – Tarde
2ª Aula: Apresentação de trabalhos do 2º Ano C (Seres vivos em extinção)
Peça teatral: E fez a luz.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 25 de abril de 2015

Festa Garoto & Garota EREM Justulino 2015

Vamos? É  neste sábado, vai ser massa! Ingressos baratinhos, várias atrações, garanto que você não vai se arrepender, quadra poliesportiva de Umari, as 19 hrs. Sinta-se convidado. Participação: grupo de dança Haran,DJ entre outras atrações, não vai ficar de fora né? Garanta seu ingresso. R$ 3,00.

Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 26 de março de 2015

Projeto da EREM Justulino Ferreira Gomes sobre Dia Mundial da Água é destaque no Portal da Educação

 EREM Justulino Ferreira Gomes celebra Dia Mundial da Água

Projeto “Água, riqueza desvalorizada” envolveu alunos e comunidade escolar.

Assessoria de Comunicação - 25/03/2015 19:07h



Como forma de disseminar o conhecimento sobre a importância da água para a manutenção da vida no planeta e a necessidade da preservação desse recurso, a Escola de Referência em Ensino Médio (EREM) Justulino Ferreira Gomes, localizada em Bom Jardim, na Zona da Mata, vem desenvolvendo o projeto: “Água, riqueza desvalorizada”.

Iniciado em fevereiro, o projeto envolve educadores, estudantes e comunidade escolar numa ação em rede, que visa mudança de atitudes e a educação da comunidade local para o bom gerenciamento das águas, incluindo o controle pessoal e a ação contra o desperdício. “Este projeto busca dar enfoque à escassez e à poluição da água estimulando o debate, a conscientização e a formação cidadã sobre as questões atuais que merecem destaque, especialmente no Distrito de Umari, no município de Bom Jardim”, explica a gestora da unidade escolar Paula Regina.

A partir da leitura de textos, exibição de filmes e documentários sobre o tema em sala de aula, os alunos saíram a campo realizando entrevistas com a comunidade a fim de diagnosticar o nível de conscientização dos moradores e sua relação com o consumo de água no local. Divididos em turmas, os estudantes trabalharam a produção de textos e cartazes, visando chamar a atenção da população para a atual crise hídrica vivida pelo país e o risco da escassez completa da água. “O próximo passo do projeto está agendado para o dia 30 de março, quando a escola promoverá uma caminhada pelas ruas de Umari levando faixas e cartazes chamando a atenção para o problema da falta de água”, lembrou Paula Regina.

Para Jéssica Ramos de Lira (14), estudante do 2º ano da unidade, o projeto está trazendo novos e importantes conhecimentos, tanto para os alunos quanto para a comunidade em geral. “Aprendi que estamos passando por um período de falta de água aqui no Brasil, mas que, em países da África e da Ásia, as pessoas convivem com escassez, frequentemente, e isso nos alerta ainda mais sobre a necessidade de utilizar a água de forma consciente”, relatou Jéssica que falou sobre os preparativos para a passeata da segunda-feira (30). “Cada turma está produzindo faixas com mensagens de alerta e todos os alunos estão participando. Estamos contando também com a presença da comunidade na passeata”.
http://www.educacao.pe.gov.br/

Professor Edgar Bom Jardim - PE

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Engenho Palmas do Bom Jardim é referência do Patrimônio Histórico do Agreste

Professores da  EREM Justulino Ferreira Gomes, realizam projeto que favorece o conhecimento das potencialidades culturais e turísticas do município de Bom Jardim - PE. O Engenho Palmas está localizado no distrito de Bizarra. A casa grande, a igreja e a casa das caldeiras com algumas peças são atrativos do local.

Fotos: Chico Pezão.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

domingo, 19 de outubro de 2014

Tudo querendo namorar

Já escolheu?

Professor Edgar Bom Jardim - PE

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Dias das Mães na EREM JUSTULINO

Foto:André Silva.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 10 de maio de 2014

Cultura estimula Jovens e Empreendedores em Bom Jardim

Estudantes do Ensino Médio das Escolas Raimundo Honório, EREM Dr. Mota Silveira , EREM Justulino Ferreira Gomes e empreendedores da FEIRA CULTURAL, participaram nesta quinta-feira 8 de maio , de oficinas e cursos (Jovens Empreendedores, Cultura Empreendedora e Marketing e Empreendedor Cultural) no Centro Cultural Professora Marineide Braz, realizados pelo SEBRAE. A iniciativa foi do Governo Municipal por meio da Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes e beneficiou 280 participantes. Raquel Tabatchinik, Vera Cutz, Hilton Oliveira e Odilon Medeiros foram os facilitadores do evento. O público presente ficou intensamente satisfeito.
Fotos:Fabiano da Silva.  http://bomjardim.pe.gov.br/
Professor Edgar Bom Jardim - PE