domingo, 19 de fevereiro de 2017

Tarde de domingo com desfile do Frango da Madrugada no Carnaval Levino Ferreira em Bom Jardim

Carnaval 2017.
Feijoada no início da tarde. Desfile:16 horas. Local de saída: Club Varonil.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Bloco da Melhor Idade no Carnaval Levino Ferreira 2017

Grupo da "Melhor Idade" desfilou nas ruas de Bom Jardim-PE, neste sábado de prévias. O bloco saiu da Rua Manoel Augusto em direção ao Baile Municipal. 

Fotos de Lucas Cabral.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Carnaval Levino Ferreira 2017: Começa Baile Municipal


Foto: Edjane Clementino.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

CARNAVAL LEVINO FERREIRA 2017: TROÇA QUERO UMA MULHER FAZ A FESTA NAS RUAS DE BOM JARDIM

Fotos:Lucas Cabral/ Edgar Santos.

Noite de sábado 18 de fevereiro 2017, desfilou pelas principais ruas da cidade  a Troça "Quero uma Mulher"  organizada pelo Músico Lúcio Sócrates, Klebson Barbosa e família com muita animação, frevo no pé,  e  músicas lindas  sendo cantadas para festejar o início do carnaval de Bom  Jardim, "Terra "  do  "Mestre Vivo" Levino Ferreira, um dos maiores compositores de frevo da humanidade.
Mulheres foram homenageadas pelos organizadores. A Troça Quero uma  Mulher foi criada no início da década de 1940.  Em 2015 voltou a fazer parte de nosso carnaval.


Professor Edgar Bom Jardim - PE

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Justiça no Brasil. Ministro determina arquivamento de inquérito contra senador Fernando Collor


Senador Fernando Collor (PTB-AL)
Senador Fernando Collor (PTB-AL)Foto: Marcos Oliveira/ Agência Senado
O Inquérito (INQ) 4250, um dos processos oriundos da chamada Operação Lava Jato que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o senador Fernando Collor de Mello (PTC/AL), foi arquivado por determinação do ministro Edson Fachin. A decisão do relator acolheu pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, segundo o qual não existem elementos probatórios mínimos para o prosseguimento das investigação.

Neste inquérito, o senador era investigado pelo suposto envolvimento em esquema criminoso de corrupção de agentes públicos e lavagem de dinheiro relacionado à Petrobras Distribuidora S/A. De acordo com o procurador-geral, não foram levantados elementos suficientes para fundamentar a continuidade do inquérito e a consequente propositura de ação penal. “Seria temerário o oferecimento de uma denúncia com base apenas em declarações de um colaborador, principalmente em hipóteses como a dos autos, em que os elementos de prova reunidos parecem infirmar as genéricas palavras de tal agente”.

Atribuição
“À exceção das hipóteses em que o procurador-geral da República formula pedido de arquivamento de Inquérito sob o fundamento da atipicidade da conduta ou da extinção da punibilidade, é pacífico o entendimento jurisprudencial desta Corte considerando obrigatório o deferimento da pretensão, independentemente da análise das razões invocadas. Trata-se de decorrência da atribuição constitucional ao procurador-geral da República da titularidade exclusiva da opinio delicti a ser apresentada perante o STF”, salientou o relator.

O ministro ressaltou, contudo, que o arquivamento deferido com base na ausência de provas suficientes não impede o prosseguimento das investigações caso futuramente surjam novas evidências.

Foi determinada, na decisão, o envio de cópia digital dos autos à 13ª Vara Federal de Curitiba, Seção Judiciária do Estado do Paraná, a fim que se adote as providências necessárias e cabíveis com relação aos demais envolvidos, não detentores de foro por prerrogativa de função no Supremo.
Fonte: Folha de Pernambuco.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

O mundo freudiano

Desfaça a alegria fabricada e a insensatez
dos juízes ensandecidos.
Descobra o manto que escondeu o tempo
e a vida que se foi para o abismo.
O mundo se perde no pequeno caos da arrogância,
deixa-se levar pelas formas das mercadorias.
Não grite por ninguém,  apague a luz da lâmpada azul
e espere os anjos que estão voltando do paraíso.
No quarto estreito Freud arma seu divã cinza,
há padecimentos e tonturas no corpo que envelhece.

FONTE:astuciadeulisses
Professor Edgar Bom Jardim - PE

O misterioso assassinato de Kim Jong-nam, meio-irmão e 'rival' do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un

Kim Jong-namDireito de imagemAFP
Image captionKim Jong-nam foi atacado quando esperava voo para Macau, na China
O assassinato de Kim Jong-nam, meio-irmão do líder norte-coreano, Kim Jong-un, no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia, não só teve contornos de um filme de Hollywood, como também instigou a curiosidade sobre quem ele era.
Kim Jong-nam esperava um voo para Macau, na China, na segunda-feira, quando uma mulher cobriu seu rosto com um pano que queimou seus olhos. A morte foi decretada horas depois, informaram autoridades malaias.
Nesta quinta-feira, uma segunda mulher foi presa por suspeita de envolvimento na morte. Ela foi identificada pelas câmeras de segurança do aeroporto e viajava com um passaporte da Indonésia.
Na manhã de terça-feira, outra mulher também já havia sido presa. Ela foi identificada como a vietnamita Doan Thi Huong, de 28 anos, e deve comparecer a uma audiência no tribunal.
Kim Jong-nam usava um passaporte com um nome diferente na ocasião.
O filho mais velho do ex-líder norte-coreano Kim Jong-il, morto em 2011, teria fugido da Coreia do Norte depois de ter sido preterido em detrimento do irmão, Kim Jong-un, que acabou assumindo o poder.
A forma como o ataque aconteceu ainda está cercada de mistérios. O policial malaio Fadzil Ahmat afirmou ao jornal local The Star que Kim havia alertado uma recepcionista dizendo que "alguém o teria agarrado por trás e borrifado um líquido em seu rosto".
Mas, em entrevista à agência de notícia Bernama, o mesmo policial mudou sua versão dos acontecimentos. Ele disse que uma mulher teria agarrado Kim por trás e "coberto seu rosto com um pano embebido em uma substância".
Relatos iniciais indicavam que ele havia sido atacado com um spray ou com uma agulha.
Os olhos de Kim "sofreram queimaduras como resultado da substância", informou Ahmat à Bernama. A vítima morreu a caminho do hospital, na cidade de Putrajaya.
"Por enquanto, não há suspeitos, mas começamos as investigações e estamos analisando as possibilidades para colher pistas", disse o policial à agência de notícias Reuters.
A notícia sobre a morte de Kim só foi divulgada um dia depois, na terça-feira. A autópsia do corpo deve ocorrer nesta quarta-feira.
Kim Jong-nam nasceu no dia 10 de maio de 1971. Ele tinha 45 anos.
Kim Jong-namDireito de imagemAFP
Image captionKim Jong-nam tornou-se um crítico do regime norte-coreano
Não foi a primeira vez que Kim viajava com uma identidade diferente da sua. Em 2001, ele foi flagrado tentando entrar no Japão com um passaporte falso. Segundo as autoridades, Kim planejava visitar a Disneylândia de Tóquio.
O episódio teria sido o estopim para que ele caísse em desgraça.
Ignorado em detrimento de seu irmão mais novo na sucessão de seu pai em 2011, Kim Jong-nam mantinha um perfil discreto, passando a maior parte do tempo em Macau, na China e em Cingapura.
Ele seria um entusiasta das máquinas caça-níqueis de Macau, um território chinês famoso pelos jogos de azar.
Também já teria sido alvo de tentativas de assassinato no passado.
Um espião norte-coreano preso na Coreia do Sul em 2012 admitiu que tentou simular um acidente de trânsito do qual Kim Jong-nam seria potencialmente a vítima. Mas o plano não deu certo.
A Coreia do Norte é conhecida por enviar agentes secretos para realizar assassinatos, ataques e sequestros.
Kim Jong-namDireito de imagemAFP
Image captionKim Jong-nam foi preterido em detrimento do irmão, Kim Jong-un

Biografia

Kim era filho de Kim Jong-il com uma de suas amantes, a atriz norte-coreana Sung Hae-rim, cujos pais, intelectuais sul-coreanos, emigraram para a Coreia do Norte durante a Guerra da Coreia.
Ela era casada quando conheceu o então líder norte-coreano, e o relacionamento não contava com a aprovação de Kim Il-sung, pai de Kim Jong-il.
Naquela época, Kim Jong-il era o favorito para suceder o pai e, na conservadora sociedade norte-coreana, a notícia de que ele teria tido um filho bastardo poderia minar suas ambições.
Por causa disso, Kim Jong-nam foi isolado e cresceu em segredo em uma mansão na região central de Pyongyang.
Como sua mãe, morta em 2002, sofria de problemas físicos e mentais, o que lhe exigia buscar tratamento fora da Coreia do Norte, ele acabou crescendo com sua avó materna e sua tia, Song Hye-rang.
Em seu livro de memórias, Song, que fugiu do país nos anos 90 e vive hoje escondida na Europa, disse que Kim Jong-il era apaixonado pelo filho e sentia pena de estar longe dele.
Assim como seus irmãos, ele foi enviado para estudar em uma escola internacional na Suíça. Também morou na Rússia. Durante os dez anos em que viveu na Europa, aprendeu inglês e francês. No fim da década de 80, teria retornado a Pyongyang.
Sua exposição ao mundo exterior e sua falta de entusiasmo com o relativo isolamento da capital norte-coreana fizeram com que ele questionasse o sistema econômico e político da Coreia do Norte.
Kim Jong-NamDireito de imagemAFP
Image captionKim Jong-Nam em foto de infância com a avó materna, em janeiro de 1975
Em determinado momento, Kim Jong-il ficou tão frustado com o filho que ameaçou enviá-lo a um campo de prisioneiros políticos para trabalhar em uma mina de carvão.
Mas, em vez de ser encarcerado, Kim Jong-nam passou seus vinte anos lutando contra as demandas de seu pai e suas expectativas irrealistas.
Por causa disso, Kim nunca foi considerado um candidato viável à sua sucessão, mas chegou a integrar o governo norte-coreano. Ele teria uma posição de comando no aparato de segurança interna do regime e também nas operações de troca de divisas fora do país.
Durante a Marcha Árdua na década de 90, quando milhares de cidadãos norte-coreanos morreram de fome, Kim participou de auditorias nas quais funcionários do Partido Comunista revisaram as finanças e as práticas de negócios das fábricas estatais.
Depois dessas análises, ele teria testemunhado execuções públicas de diretores das fábricas, acusados de roubar dinheiro público.
Tudo isso teria contribuído para aumentar a desilusão de Kim sobre o país no qual nasceu e sobre o sistema político que seu pai e seu avô comandavam.
Ele casou-se no fim dos anos 80 e teve vários filhos. Nos anos 2000, passou a morar fora da Coreia do Norte, fixando residência em Macau e em Pequim.
Ainda assim, Kim seria responsável por administrar algumas das supostas contas dafamília no exterior (que totalizariam bilhões de dólares). Ele também estaria envolvido em alguns dos negócios ilícitos do país.
Mas foi em 2010 que Kim Jong-nam quebrou definitivamente o silêncio, em uma entrevista a um jornal japonês, na qual criticou o controle da Coreia do Norte por sua família e afirmou que seu irmão, Kim Jong-un, carecia de qualidades de liderança.
Na ocasião, Kim afirmou que o país entraria em colapso sem uma reforma, mas, caso fosse implementada, ela colocaria fim à dinastia familiar. Nesse contexto, acrescentou ele, seu irmão seria nada mais do que um "fantoche", controlado pela elite dominante do país.
Um dos filhos de Kim, Kim Han-sol, que nasceu em Pyongyang em 1995, mas nunca conheceu o avô, endossou a crítica feita pelo pai.
"Meu pai nunca se interessou por política", afirmou ele à ex-sub-secretária das Nações Unidas Elisabeth Rehn em uma entrevista a uma rede de TV da Finlândia em 2012.
Kim Jong-nam e o pai, Kim Jong-ilDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionKim Jong-nam posa com o pai, Kim Jong-il

Rivalidade

Segundo Michael Madden, especialista em Coreia do Norte e professor-visitante da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos, a rivalidade entre os meio-irmãos foi alimentada especialmente pela mãe de Kim Jong-un, Ko Yong-hui.
No fim da década de 70, quando Jong-nam deixou o país para estudar fora, Kim Jong-il começou um relacionamento com Ko, uma dançarina japonesa de etnia coreana que trabalhava para uma prestigada trupe de dança.
Com ela, Kim Jong-il teve três filhos, entre eles, Kim Jong-un, que atualmente governa o país.
Mas, diferentemente de outras mulheres ou amantes de Kim Jong-il, Ko tomou gosto pelas intrigas palacianas, e tornou-se íntima dos principais conselheiros e generais próximos ao marido.
Quando Kim Jong-nam voltou da temporada de estudo no exterior, no fim da década de 80, já havia rumores de que Ko estava posicionando seu filho (Kim Jong-un) como o sucessor de Kim Jong-il, apesar desse tipo de discussão ser proibida na Coreia do Norte e poder ser punida com a morte.
Mas, durante o fim da década de 90 e o início dos anos 2000, Ko tornou-se a primeira-dama de fato do país, acompanhando seu marido em inspeções militares e em eventos com funcionários do alto escalão.
Na avaliação de Madden, isso pavimentou o caminho para que o filho dela, Kim Jong-un, ou seu irmão mais velho, Kim Jong-chol, se tornassem herdeiros naturais do pai.
Quando Kim Jong-nam foi flagrado viajando com um passaporte falso no Japão, Ko utilizou-se internamente desse episódio para reforçar que um de seus filhos sucedesse o líder norte-coreano.
Foi a partir daí que, segundo o especialista, a rivalidade entre os meio-irmãos aumentou exponencialmente.
Funcionários de IML na MalásiaDireito de imagemAP
Image captionNecrópsia de corpo que seria de Kim Jong-nam será realizado nesta quarta-feira

Ordem do assassinato

A morte de Kim Jong-nam ainda está sendo investigada. O principal suspeito seria Kim Jong-un.
Mas para Madden, o assassinato não serviria aos interesses políticos do líder norte-coreano.
Uma eventual ordem para matá-lo acabaria por desgastar ainda mais a imagem internacional de Kim Jong-un: ele é acusado de impor um "reino de terror" na Coreia do Norte e sua saúde mental já foi colocada em xeque.
Neste sentido, Madden afirma que o assassinato só aumentaria ainda mais os rumores sobre a figura do líder norte-coreano, "satisfazendo" a rival Coreia do Sul.
"Kim Jong-nam não era uma ameaça ou um rival crível à liderança de Kim Jong-un. Ele nunca teve interesse em governar a Coreia do Norte", diz Madden.
"Além disso, morando fora do país por tanto tempo, Kim Jong-nam não tinha condição de formar uma base de poder entre as elites norte-coreanas".
Madden lembra que Kim Jong-nam também era muito próximo das elites chinesas e viveu sob proteção das autoridades daquele país durante muito tempo.
Nos últimos meses, Pyongyang vinha tentando fortalecer os laços com Pequim, seu maior aliado e seu principal parceiro comercial.
"A menos que a utilidade de Jong-nam dentro do governo chinês tenha acabado, não seria do interesse geopolítico de Kim Jong-un assassinar seu meio-irmão", opina.
No entanto, ressalva Madden, Kim Jong-nam era visto pelas elites da Coreia do Norte como uma espécie de "neto da nação".
"Essas elites eram muito próximas de Kim Il-sung. Elas conheciam a história pessoal de Kim Jong-nam, os bastidores, e assim ele era tratado com um carinho especial pelos maiores heróis do país", diz.
"Esse carinho e essa relação não necessariamente formariam a base doméstica para apoio político, mas teria sido útil caso Kim Jong-nam quisesse se apresentar como uma alternativa a Kim Jong-un", acrescenta.
BBC.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Quais são as melhores cidades no mundo para se estudar?

Universidade de Concordia
Image captionMontreal aparece como a melhor cidade universitária
Qual é a melhor cidade do mundo para ser estudante?
De acordo com o ranking 2017 das melhores cidades universitárias, realizado pela consultoria britância Quacquarelli Symonds (QS), trata-se de Montreal.
A cidade canadense desbancou Paris, que perdeu pela primeira vez em quatro anos a liderança do ranking, ficando em segundo lugar dentre as 100 cidades que fazem parte da lista.
O Brasil aparece no ranking representado por duas cidades: São Paulo (69º) e Rio de Janeiro (94º). A capital paulista caiu seis posições em relação ao último levantamento, de 2016, enquanto o Rio de Janeiro fez sua estreia na lista.
Para entrar no ranking, as cidades devem ter uma população de pelo menos 250 mil habitantes e ser sede de, pelo menos, duas universidades que fazem parte do QS World University Rankings.
O ranking é baseado em um conjunto de parâmetros, como a qualidade das universidades, custo e qualidade de vida, caráter internacional, acesso ao mercado de trabalho e experiência estudantil.
A edição de 2017 ampliou a lista para 100 cidades - no levantamento anterior, foram contempladas 75.
MontrealDireito de imagemISTOCK

Destinos alternativos

O Canadá aparece bem classificado em termos de conveniência para estudantes internacionais. Além de Montreal, Vancouver aparece na 10ª posição e Toronto em 11º no ranking. O país tem a vantagem de oferecer cursos em duas línguas: inglês e francês.
O resultado reforça a tese de que o Canadá pode concentrar uma parcela maior do rentável mercado de educação internacional, especialmente diante das incertezas sobre as mudanças nas regras de entrada dos Estados Unidos sob a gestão de Donald Trump.
Para Ben Sowter, responsável pela Unidade de Inteligência da QS, a crescente popularidade do Canadá faz parte do aumento de "alternativas para os destinos de estudo tradicionalmente dominantes, tanto na Europa como na América do Norte".
"O Canadá vai se tornar um ator importante", prevê Sowter.
Segundo ele, o país norte-americano pode atrair estudantes dos Estados Unidos, enquanto o Reino Unido pode perder alunos para a Irlanda, Holanda e países escandinavos.
Um porta-voz da cidade de Montreal confirma que houve um grande aumento no número de estudantes internacionais, especialmente da China, Índia, França e Irã.

Queda de Paris

Paris aparece, por sua vez, como a segunda colocada no ranking. A queda em relação ao levantamento anterior é atribuída ao custo de vida e à diminuição de certos critérios desejáveis, ​​como segurança.
Sowter não acredita, no entanto, que haja uma ligação com os ataques terroristas na capital francesa. Ele afirma que poucas cidades são apontadas nas entrevistas com os alunos como mais atraentes do que Paris.
Segundo ele, os estudantes concordam que não há cidades com "risco zero", seja Boston, Berlim ou Paris, todas têm mantido seu apelo.

Londres é Londres

Já a terceira cidade mais atraente para os estudantes, segundo o estudo, é Londres.
As instituições de ensino britânicas estão preocupadas, no entanto, com o impacto que o Brexit (saída da União Europeia) pode ter no Reino Unido, fazendo com que seja percebido como um destino menos acolhedor para os estudantes estrangeiros.
Pesquisas recentes de universidades britânicas revelaram uma queda de 7% na candidatura de estudantes da União Europeia.
LondresDireito de imagemISTOCK
Image captionLondres aparece na terceira posição do ranking
Ainda não há sinais, no entanto, de um impacto negativo sobre Londres no ranking deste ano, uma vez que a capital do Reino Unido subiu da quinta para a terceira posição na lista.
É importante lembrar que a desvalorização da libra após o Brexit também facilitou o acesso a estudantes estrangeiros em termos financeiros.
As universidades de Londres obtêm alta pontuação devido à qualidade.
"Nenhuma cidade possui a variedade e qualidade de universidades como Londres", diz.
As Melhores Cidades Universitárias
Ranking 2017Ranking 2016
1. Montreal1. Paris
2. Paris2. Melbourne
3. Londres3. Tóquio
4. Seul4. Sydney
5. Melbourne5. Londres
6. Berlim6. Cingapura
7. Tóquio7. Montreal
8. Boston8. Hong Kong
9. Munique9. Berlim
10. Vancouver10. Seul
69. São Paulo63. São Paulo
94. Rio de JaneiroNão consta
Assim como Boston (oitavo lugar) - que conta com a Universidade de Harvard, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) e a Universidade de Boston - Londres e Paris também se beneficiam do grande número de instituições de ensino.

Fortaleza alemã

Além do Canadá, o outro único país com duas cidades no top 10 é a Alemanha, com Berlim, em sexto, e Munique, na nona posição. O resultado reflete as vantagens financeiras da Alemanha para estudantes estrangeiros, que não pagam sequer taxa de matrícula.
Universidade de Montreal
Image captionCanadá pode se beneficiar das novas restrições nos Estados Unidos

Ásia vem aí

Os países asiáticos - principalmente China e Índia - fornecem o maior número de estudantes estrangeiros.
Mas os países asiáticos também estão atraindo alunos internacionais, com cinco cidades no top 20 do ranking, lideradas por Seul, que subiu para o quarto lugar, e Tóquio, que está em sétimo.
Xangai é a cidade chinesa com a melhor classificação, ocupando o 25º lugar. Já Mumbai (ex-Bombaim) é a primeira cidade indiana na lista, na 85ª posição.
Além de São Paulo (69º) e Rio de Janeiro (94º), outras cidades latino-americanas que aparecem no ranking são: Buenos Aires (42º), Cidade do México (51º), Santiago (62º), Bogotá (73º), Monterrey (76º) e Lima (99º).
O fato é que a competição para atrair estudantes internacionais é um grande negócio.
Os Estados Unidos continuam sendo o maior mercado, e as cifras anuais mostram que, pela primeira vez, mais de um milhão de estudantes estrangeiros se encontram em universidades do país. Apenas a China enviou cerca de 330.000 alunos.
Além dos benefícios que resultam dos contatos transnacionais para pesquisa e da projeção da influência cultural a nível internacional, estima-se que os estudantes estrangeiros contribuam com quase US$ 36 bilhões para a economia dos EUA.
Professor Edgar Bom Jardim - PE