Mostrando postagens com marcador Religião. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Religião. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Religião:Escândalo sexual leva todos os bispos do Chile a pedirem demissão ao papa


Luis Fernando Ramos Pérez, membro da conferência episcopal chilena, anuncia a demissão dos bispos chilenosDireito de imagemAFP
Image captionAlém de apresentar sua renúncia aos cargos, os bispos pediram perdão ao Chile, às vítimas de abusos e ao papa
Foi um pedido de demissão em massa sem precedentes. Os 34 bispos do Chile ofereceram nesta sexta-feira a renúncia aos seus cargos ao papa Francisco em meio ao escândalo envolvendo o bispo chileno Juan Barros, acusado de encobrir abusos sexuais na Igreja Católica no país.
"Colocamos nossos postos nas mãos do Santo Padre e deixaremos que ele decida livremente por cada um de nós", informaram os bispos em uma coletiva de imprensa no Vaticano. Eles também pediram perdão ao Chile, às vítimas de abusos e ao papa.
Até o início da tarde, Francisco não havia se manifestado sobre aceitar ou não as renúncias.
Em declarações à chilena Rádio Cooperativa, Juan Carlos Cruz, uma das pessoas que afirmam terem sido vítimas de abuso perpetrado por um sacerdote católico no Chile, disse que o anúncio da renúncia constitui um fato "absolutamente inédito".
"Os bispos usam eufemismos para explicar o que aconteceu, mas todos os bispos renunciarem, colocando seus cargos à disposição do papa, é algo que nunca havia ocorrido em uma conferência episcopal", afirmou.
Cruz foi um dos principais denunciantes de Barros. Ele disse estar satisfeito com a atitude de Francisco perante os prelados chilenos - o pontífice atribuiu a responsabilidade em relação aos casos de abuso sexual.
"Os que mais causaram danos e nos provocaram dor e sofrimento foram os bispos", declarou.

Reunião no Vaticano

Papa FranciscoDireito de imagemEPA
Image captionEm sua visita ao Chile em janeiro, Francisco defendeu a inocência de Barros e, depois, pediu desculpas
Os bispos chilenos se reuniram por três dias com o papa no Vaticano para tratar dos erros e omissões na gestão dos casos de abusos nos quais estava envolvido Barros, acusado de encobrir os atos do sacerdote Fernando Karadima.
Francisco entregou um documento de dez páginas em que acusa a hierarquia eclesiástica chilena de negligênica e, ao concluir as reuniões, entregou uma carta a cada um dos bispos.
"À luz destes acontecimentos dolorosos em relação aos abusos - de menores, de poder e de consciência -, aprofundou-se a gravidade dos mesmos, assim como as trágicas consequências para as vítimas. A algumas delas, eu mesmo pedi perdão do fundo do meu coração, ao qual vocês se uniram em uma só vontade e com o firme propósito de reparar os danos causados", escreveu Francisco.
Bispo Juan BarrosDireito de imagemREUTERS
Image captionBarros assumiu em 2015 como bispo de Osorno em uma tensa cerimônia
O bispo Barros é questionado há anos no Chile por seus vínculos com Karadima, que tanto a Justiça comum quanto a eclesiástica consideraram responsável por abuso sexual de menores. Os crimes teriam sido cometidos nos anos 1980 e 1990.
O sacerdote foi suspenso permanentemente de suas funções, e suas vítimas acusam Barros de ter atuado para encobrir os casos, algo que ele nega.

Perdão

Em abril, o papa reconheceu ter cometido "graves equívocos em sua avaliação" do caso de bispo Barros. Em uma visita ao Chile em janeiro, Francisco defendeu a inocência do bispo, mas depois pediu desculpas e ordenou uma investigação.
Em uma carta enviada à Conferência Episcopal do Chile, o pontífice perdiu perdão a todos que possa ter ofendido e disse sentir "dor e vergonha".
Juan Carlos CruzDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionCruz foi um dos principais denunciantes de Barros e mandou uma carta ao Vaticano
Para esclarecer o caso, o papa enviou aos Estados Unidos e ao Chile o arcebispo Charles Scicluna, um dos investigadores mais experientes do Vaticano, para que entrevistasse vítimas de Karadima que acusaram também Barros.
Uma delas foi Cruz, que informou em fevereiro à imprensa que, em 2015, enviou uma carta a Francisco detalhando os abusos sofridos por ele e outros menores nas mãos de Karadima, e dizendo que a Igreja no Chile e Barros haviam ocultado por anos esses casos.
Cruz diz que a carta foi recebida em abril de 2015 por um assessor do papa que colabora no combate aos abusos, o cardeal Sean O'Malley, que teria depois assegurado às vítimas e seus representantes que o papa estava ciente das denúncias, algo que o Vaticano não confirma.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Religião: O que 250 padres aprenderão no curso de exorcismo que o Vaticano acaba de iniciar

Padres em curso no ano de 2005Direito de imagemAFP
Image captionPadres em curso no ano de 2005; demanda vem aumentando com o passar dos anos
O Vaticano acaba de abrir as portas para seu curso anual de exorcismo em meio a uma demanda crescente de comunidades católicas ao redor do mundo.
Cerca de 250 padres, vindos de 50 países, chegaram a Roma para, entre outras coisas, aprender a identificar uma "possessão demoníaca", ouvir testemunhos de colegas e conhecer os rituais para a "expulsão de demônios".
A prática é polêmica, em parte pela forma como é apresentado na cultura popular - particularmente, em filmes de terror. Mas também houve relatos de abusos cometidos em sessões de exorcismo em várias seitas religiosas diferentes.
O curso do Vaticano, com cerca de uma semana de duração, é denominado "Exorcismo e a Oração da Libertação" e começou a ser ministrado em 2005. Desde então, o número de alunos dobrou. O custo é de 300 euros (cerca de R$ 1,2 mil) e o currículo inclui abordagens da teologia, psicologia e antropologia.
Padre faz anotações durante curso sobre exorcismo no VaticanoDireito de imagemAFP
Image captionCurso oferece abordagens antropológicas e psicológicas do exorcismo

Por que a demanda está aumentando?

Padres católicos de diversos países disseram à imprensa terem notado um aumento no número de fiéis relatando sinais de "possessão demoníaca".
No ano passado, o papa Francisco disse a clérigos que eles "não deveriam hesitar" em encaminhar casos para exorcistas ao notarem "distúrbios espirituais genuínos".
Estima-se que meio milhão de pessoas busquem sessões de exorcismo a cada ano na Itália. Um relatório do centro de pesquisas cristão Theos afirmou, em 2017, que a prática está crescendo - em parte, pela expansão de igrejas pentecostais.
Algumas dioceses desenvolveram seus próprios cursos para atender à crescente demanda, como na Sicília (Itália), e na cidade americana de Chicago.
O padre americano Gary Thomas, que pratica exorcismos há 12 anos, diz que à medida que a sociedade passou a confiar mais em ciências sociais, caiu o número de igrejas que treinam exorcistas. Para ele, o declínio do cristianismo também abriu espaço a práticas supersticiosas.
Já Benigno Palilla, um padre italiano, disse ao portal Vatican News que a popularização de tarô e feitiçaria teria renovado a demanda para exorcismos.
No entanto, pouquíssimos casos realmente precisam do chamado exorcismo magno. Dos 180 casos que testemunhou, Thomas diz que apenas uma dezena precisou dessa modalidade, que necessita da aprovação de um bispo e envolve orações específicas.

Quando é que um exorcismo é autorizado?

O padre filipino José Francisco Syquia, que chefia a seção de exorcismo da Arquidiocese de Manilla, durante cerimônia em 2011Direito de imagemGETTY IMAGES
Image captionVários países têm reportado aumento na demanda por exorcismos
Em 1999, a Igreja Católica fez a primeira grande atualização nas regras sobre exorcismo desde 1614, distinguindo a possessão demoníaca de doenças físicas e psicológicas.
Como consequência, o padre Thomas trabalha com um grupo de médicos, psicólogos e psiquiatras - todos católicos praticantes - para investigar a causa do sofrimento de uma pessoa antes de diagnosticar a possessão demoníaca.
Ele então tenta uma série de orações de esconjuro. Um exorcismo magno só ocorre como último recurso, diz o padre.

O que ocorre no exorcismo?

Em geral, o padre, pratica o ritual usando uma túnica branca de renda chamada sobrepeliz com uma estola roxa. A pessoa possuída pode ser atada, e água benta deve ser usada. O padre faz o sinal da cruz várias vezes em frente à pessoa ao longo do procedimento.
O padre convoca santos, reza e lê trechos da Bíblia nos quais Jesus expulsa demônios de pessoas.
Em nome de Jesus, ele pede ao demônio que se renda a Deus e vá embora, tantas vezes quanto necessário. Assim que o padre se convence de que o exorcismo funcionou, ele reza a Deus para que impeça o espírito maligno de importunar a pessoa afetada novamente, e que, em vez disso, a "bondade e paz do nosso Senhor Jesus Cristo" se apossem dela.

Quais são as críticas?

Há muitas críticas ao exorcismo e preocupações de que ele esteja sendo usado por sacerdotes religiosos para abusar de crianças e outras pessoas vulneráveis.
Houve casos de mortes em rituais associados ao exorcismo.
De maneira geral, há o risco de pessoas com doenças como epilepsia ou esquizofrenia serem erroneamente consideradas "possuídas" e, por isso, deixarem de receber tratamento médico adequado.
Em 2012, o governo britânico divulgou um plano nacional para prevenir o abuso de crianças em rituais religiosos.
No início de abril, um pastor evangélico em Santa Catarina foi preso, acusado de pedir que uma menina de 13 anos se fotografasse nua para que ele quebrasse uma maldição.
Fonte:BBC.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

domingo, 22 de abril de 2018

Papa incentiva jovens a construir a 'Igreja cubana de hoje e amanhã'


papa Francisco pediu aos jovens cubanos que construam a Igreja cubana de hoje e do futuro, assim como a pátria cubana, em uma mensagem de vídeo enviada à pastoral juvenil em Havana. Cuba iniciou uma nova era em seis décadas de revolução: o general Raúl Castro (86 anos) transmitiu a Presidência a Miguel Díaz-Canel, um civil quase 30 anos mais novo comprometido a dar continuidade ao legado de seus antecessores e a reformar o modelo econômico socialista.

Em sua mensagem, difundida pelo Vaticano coincindo com esse momento histórico na ilha, Francisco diz aos jovens cubanos que eles não estão sós e os convidou a seguir sempre adiante, desejando coragem. "Eu os animo a se apaixonar por Jesus e ter um compromisso cada vez mais concreto com o serviço da Igreja nesta Cuba concreta de hoje, sem medo de ouvir o chamado de Deus nas situações que vão se apresentando todos os dias", declarou o papa, dirigindo-se à juventude cubana.
"Bons patriotas, amem sua terra, amem sua pátria! Sejam generosos e abram seu coração ao Senhor!", acrescentou, desejando que a Jornada Mundial da Juventude no Panamá e a de Santiago em Cuba sejam uma "oportunidade para aprofundar os processos de fe de cada um e para construir a Igreja cubana de hoje e de amanhã, a pátria cubana de hoje e de amanhã".
De Folha de Pernambuco
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 31 de março de 2018

Foto da Semana: Procissão do Senhor Morto - Bom Jardim - PE

Centenas de fiéis realizaram a tradicional caminhada na procissão do Senhor Morto, nas ruas do centro de Bom Jardim, nesta Sexta-Feira Santa, mesmo 30/03/2018debaixo de chuva. O percurso foi resumido. A procissão é realizada por católicos de todo mundo em memória à morte de Jesus Cristo.
Por Edgar S. Santos
Registro fotográfico em 30/03/2018.
Veja mais em:https://www.facebook.com/edgar.edgard.10/videos

Professor Edgar Bom Jardim - PE

Festa de Nossa Senhora dos Prazeres, conhecida como Festa da Pitomba, terá seu início neste domingo (1º) com a procissão da imagem da Padroeira


A 361ª edição da Festa de Nossa Senhora dos Prazeres, conhecida popularmente como Festa da Pitomba, terá início neste domingo (1º) com a procissão da imagem da padroeira e artistas de diversos estilos musicais no palco principal. O cortejo terá início às 15h, saindo da Matriz de Nossa Senhora do Rosário, no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, com destino ao santuário. Logo após, será celebrada uma missa campal e, ao longo da semana, acontecerão as novenas. 

Além das atividades religiosas, a partir da quinta-feira (5) a programação fica por conta dos shows que seguem até o próximo dia 9 e já tem como atrações confirmadas nomes como Maestro Spok, Gerlane Lopes, Josildo Sá, Adilson Ramos, MC Tróia, MC Elvis, Banda Torpedo, Batista Lima, Fim de Feira e artistas locais. As apresentações da Festa da Pitomba começam a partir das 20h e seguem até a meia-noite, sempre no palco principal que estará montado no Parque Histórico Nacional dos Guararapes.

esquema especial de segurança, saúde e trânsito para os nove dias de festa. Ao todo, o esquema de segurança irá contar com 420 homens, sendo 150 policiais militares, 180 guardas municipais, 90 bombeiros e duas unidades móveis de videomonitoramento. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) dará suporte ao evento com um posto médico, além de viaturas, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, condutores e bombeiros civis. Algumas secretarias municipais também promoverão diversas ações conjuntas, como orientações sobre o combate à violência contra a mulher, criança e adolescente, e campanhas educativas nas áreas da Saúde e Desenvolvimento Social. 

Já a Secretaria de Saúde fará testagem rápida todos os dias da Festa da Pitomba para diagnóstico e aconselhamento sobre Doenças Sexualmente Trnasmissíveis (DSTs), além de informar a população sobre prevenção, diagnóstico e tratamento dessas doenças. Apenas no dia 4, das 10h às 16h, serão realizados exames para diagnóstico de tuberculose.

Para garantir um melhor fluxo, a Secretaria Executiva de Mobilidade e Acessibilidade (Sema) interditará a avenida Guararapes. O bloqueio começará na avenida Dr. Júlio Maranhão e seguirá até o Monte dos Guararapes. A partir da segunda-feira (2) ao dia 8, agentes de trânsito fiscalizarão e interditarão as vias próximas ao Parque Histórico. No dia 9, último dia do evento, ocorrerá o trajeto da procissão de encerramento, com saída pelo Monte Guararapes, passando pela via local da PE-008 (avenida Dr. Júlio Maranhão), seguindo pela avenida Guararapes e rua dos Sonhos.
De: Folha de Pernambuco
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sexta-feira, 30 de março de 2018

Caminhada da Paixão é tradição na Semana Santa do Agreste

Religiosos, atletas amadores, frequentadores de academias, pessoas que fazem caminhadas unem religiosidade e prática sadia do viver, na Sexta-Feira Santa. Grupos da cidade de Orobó, Bom Jardim e João Alfredo, se organizam nas primeiras horas da manhã para ir até a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, localizada no distrito de Umari(Bom Jardim). A Caminhada da Paixão, vem atraindo a cada ano mais pessoas para o evento que agrega religiosidade, fé, sacrifício, esporte e saúde.

SIGNIFICADO: A Sexta-Feira Santa é uma reflexão sobre ao sacrifício de Jesus na cruz, um feriado religiosos comemorado pelos cristãos, simbolizando o dia da morte de Jesus Cristo, faz parte das festividades da Páscoa, que simboliza a ressurreição do Messias.  Páscoa é tempo de ressurreição, vida nova, prática do amor, prática do perdão, prática do bem, prática da não violência, não corrupção, prática  do bem, prática dos ensinamentos de Jesus Cristo. 


Fotos:Edinho Soares.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

terça-feira, 27 de março de 2018

Religião:Por que a data da Páscoa varia tanto? Entenda como ela é determinada


Vitral com Cristo ao centroDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption'A astronomia está no coração do estabelecimento da data', diz astronômo no Observatório Real de Greenwich, em Londres
A Páscoa chegou mais cedo neste ano. Será celebrada no dia 1º de abril, enquanto, no ano passado, isso ocorreu no dia 16 do mesmo mês.
Na verdade, desde 2008, essa festa foi comemorada sempre em dias diferentes, com o domingo de Páscoa variando a cada ano entre os dias 23 de março e 24 de abril.
Mas por que não há uma data fixa para a Páscoa?
Segundo afirmava Beda, o Venerável, religioso inglês que viveu no século 7, a Páscoa se dá no primeiro domingo depois da primeira lua cheia após o equinócio da primavera no hemisfério norte (20 de março, em 2018).
"A astronomia está no coração do estabelecimento da data para a Páscoa. (A data) depende de dois fatos astronômicos - o equinócio da primavera e a lua cheia", disse Marek Kukula, astronômo no Observatório Real de Greenwich, em Londres.
Trata-se de um "feriado móvel", e isso se dá graças ao sistema complexo que foi desenvolvido para tentar calcular a Páscoa (e a Páscoa Judaica) a partir do céu, acomodando calendários diferentes.
A data mais frequente para a Páscoa nas igrejas ocidentais tem sido 19 de abril, mas o evento já chegou a cair até em 25 de abril.
Lua CheiaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionA data da Páscoa varia, entre outras razões, na tentativa de harmonizar os calendários lunares e solares
O nosso calendário não combina exatamente com os ciclos astronômicos.
"Durante milhares de anos vêm sendo feitos cálculos e ajustes na tentativa de coincidir os calendários artificiais com a astronomia. Mas, exatamente pela falta de uma combinação precisa entre eles, são necessários cálculos complexos para se determinar o dia exato do equinócio e da lua cheia", acrescentou Kukula.
Apesar da famosa briga da Igreja Católica com Galileu, em 1633, por divergências em relação aos estudos de astronomia do físico, os religiosos sempre souberam que era preciso calcular as datas para a Páscoa e os dias santos - e que para isso era necessário recorrer ao estudo dos astros.
Com esse objetivo, a Igreja Católica construiu seu primeiro observatório em 1774.

Mistura

O complicado sistema de determinação da data da Páscoa é resultado da combinação de calendários, práticas culturais e tradições hebraicas, romanas e egípcias.
O calendário egípcio era baseado no Sol, prática adotada primeiramente pelos romanos e posteriormente incorporada pela cultura cristã. O judaísmo baseia o calendário hebraico parcialmente na Lua, e o islamismo também utiliza fases da Lua.
A data da Páscoa varia não somente pela tentativa de harmonizar os calendários lunares e solares, mas também há outras complicações que acabam interferindo, como o fato de diferentes vertentes do cristianismo usarem fórmulas distintas em seus cálculos.
Em 1582 foi criado o Calendário Gregoriano, adotado e promovido pelo papa Gregório para fazer com que a Páscoa caísse mais cedo e fosse mais fácil de ser calculada. Esse é o calendário que usamos até hoje.
Papa Gregório 13Direito de imagemGETTY IMAGES
Image captionGregório 13 introduziu o calendário gregoriano, ainda usado no mundo ocidental
Segundo a Bíblia, a morte e ressurreição de Jesus, os eventos celebrados pela Páscoa, ocorreram na época da Páscoa Judaica.
A Páscoa Judaica era celebrada na primeira lua cheia depois do equinócio da primavera no hemisfério norte.
Mas isso levou os cristãos a celebrar a Páscoa em diferentes datas. No fim do século 2, algumas igrejas celebravam a Páscoa junto com a Páscoa Judaica, enquanto outras marcavam a data no domingo seguinte.
No ano 325, a data da Páscoa foi unificada graças ao Concílio de Nicéia.
A Páscoa passaria a ser no primeiro domingo depois da primeira lua cheia que ocorresse após o equinócio da primavera (ou na mesma data, caso a lua cheia e o equinócio ocorressem no mesmo dia).

Domingos diferentes

Mesmo assim, tradições e culturas diferentes continuaram fazendo cálculos distintos para a data.
Um exemplo se deu na Inglaterra, no ano de 664. No reino de Northumbria, o rei Oswiu e sua esposa celebravam a Páscoa em domingos diferentes. O rei observava a tradição irlandesa, e a rainha, a romana. Ela era originária de uma parte do reino que tinha sido evangelizada segundo as tradições romanas, enquanto a cidade natal do rei Oswiu seguia a tradição irlandesa.
Em consequência, um certo ano o rei celebrou a Páscoa em um domingo, mas a rainha ainda estava no período da quaresma. Para acertar a data, o rei convocou um sínodo (assembleia de religiosos) na cidade de Whitby.
Papa Francisco celebra missa de domingo de PáscoaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionA data mais frequente para a Páscoa nas igrejas ocidentais tem sido 19 de abril
Na defesa da tradição irlandesa, estava o bispo Colman de Lindisfarne. São Wilfrid, um nativo de Northumbria treinado em Roma, defendeu a tradição romana.
"Em um ponto crucial do debate, ele mencionou São Pedro, o guardião das chaves do paraíso, que as recebeu do próprio Cristo. E o rei Oswiu, que presidia o sínodo, ficou muito impressionado", disse Michael Carter, membro do Patrimônio Histórico Inglês.
Com isso, a decisão foi tomada a favor da tradição romana.
"O Sínodo de Whitby garantiu que a Igreja na Inglaterra passasse a adotar a prática ocidental padrão. Isso significou a unificação da celebração do mais importante evento do calendário cristão pela igreja inglesa, o dia da ressurreição de Cristo. Isso persistiu no país (...) até a Reforma Anglicana, quando a Inglaterra rompeu com o padrão religioso e cultural da Europa", acrescentou Carter.

Ortodoxos

As tradições ortodoxas dentro do cristianismo continuaram usando o Calendário Juliano em vez de aceitar a reforma do calendário imposta pelo papa Gregório.
As igrejas ortodoxas, portanto, continuaram a celebrar a Páscoa e o Natal em datas diferentes das tradições ocidentais ou romanas.
Mas isso pode mudar? O papa Tawadros 2º de Alexandria, líder da Igreja Ortodoxa Copta, espera que as diferentes vertentes do cristianismo consigam chegar a um acordo sobre essa importante questão.
Pouco depois de reunir-se com ele, Justin Welby, arcebispo da Cantuária (o equivalente ao papa para a Igreja Anglicana), divulgou uma notícia surpreendente em janeiro deste ano: depois de muitos séculos de desacordo, surgiram novas esperanças de que a data da Páscoa possa ser uma data que todos os cristãos celebrem juntos.
Concílio de NicéiaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO Concílio de Nicéia acertou muitas disputas centro da igreja, incluindo a data da Páscoa
"Durante nossa visita ao Vaticano, em 2013, o papa Tawadros falou novamente sobre o tema com o papa Francisco em Roma", disse o bispo Angaelos, bispo geral da Igreja Ortodoxa Copta na Grã-Bretanha.
"Parece haver uma disposição entre parte das lideranças da Igreja Cristã para pelo menos avaliar esta possiblidade."
No entanto, ele admite que o caminho parece ser longo. "A dificuldade é que todos precisam sacrificar algo, pois cada um de nós tem o seu próprio jeito de calcular a Páscoa e calculamos assim por séculos", disse.
Ainda não há um cronograma e o bispo Angaelos afirma que a "tarefa é monumental". "Estamos falando a respeito com muita gente, muitas culturas diferentes, igrejas diferentes e líderes religiosos diferentes. Será uma tarefa monumental. Mas a ideia está lá."
E o que os astrônomos acham de uma Páscoa unificada? "De certo modo, a astronomia ficaria fora da equação", disse Marek Kukula.
"Ainda seria necessário regular o calendário - você ainda precisaria ter anos bissextos e ajustar segundos - mas a Páscoa deixaria de ser um feriado móvel e isto tornaria bem mais simples coisas como o planejamento de feriados escolares. Entretanto, se as pessoas vão querer fazer isso ou não, passa por uma questão religiosa."
E, levando em conta toda a história por trás da data, o debate sobre a questão ainda poderá se estender por muito tempo.
Professor Edgar Bom Jardim - PE