Mostrando postagens com marcador Ciência. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ciência. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Após meses de expectativa, iceberg maior que o Distrito Federal se descola da Antártida


Larsen C crackDireito de imagemBAS
Image captionNo momento, Antártida está no meio do inverno; a fenda que produziu o iceberg foi filmada no verão

Um dos maiores icebergs já documentados acaba de se descolar da Antártida.
O bloco gigante de gelo tem 6 mil km², uma área maior que a do Distrito Federal. O novo iceberg provavelmente está no top 10 dos maiores já registrados por um satélite.
Um satélite americano observou o iceberg na quarta-feira enquanto passava por uma região chamada de plataforma de gelo Larsen C, na Antártida.
Os cientistas já esperavam pelo acontecimento, já que eles monitoravam o avanço de uma enorme fenda na plataforma há mais de uma década.
Em maio, os satélites Sentinel-1 da União Europeia haviam registrado uma curva na fenda da Larsen C, indicando uma possível mudança de direção.
Agora que se desprendeu, o enorme bloco deve se afastar gradualmente da plataforma de gelo.
"Isso não deve acontecer rapidamente porque o Mar de Wedell é repleto de gelo, mas tenho certeza de que será mais rápido do que todo o processo de ruptura dos últimos meses. Tudo dependerá das correntes e dos ventos", explica Adrian Luckman, professor da Universidade de Swansea, no Reino Unido.
A Larsen C é a maior plataforma de gelo no norte da Antártida. As plataformas de gelo são as porções da Antártida onde a camada de gelo está sobre o oceano e não sobre a terra.
Segundo cientistas, o descolamento do iceberg pode deixar toda a plataforma Larsen C vulnerável a uma ruptura futura.
A plataforma tem espessura de 350 m e está localizada na ponta oeste da Antártida.
Os pesquisadores vinham acompanhando a rachadura na Larsen C há muitos anos. Recentemente, porém, eles passaram a observá-la mais atentamente por causa de rupturas das plataformas de gelo Larsen A, em 1995, e Larsen B, em 2002.
No ano passado, cientistas afirmaram que a rachadura na Larsen C estava aumentando rapidamente.
Mas, em dezembro, o ritmo aumentou a patamares nunca antes vistos, avançando 18 km em duas semanas.

FendasDireito de imagemCOPERNICUS/SENTINEL DATA
Image captionOs cientistas querem entender por que várias fendas não se descolam da plataforma

Aquecimento global

Os cientistas dizem, no entanto, que o fenômeno é geográfico e não climático. A rachadura existe por décadas, mas cresceu durante um período específico.
Eles acreditam que o aquecimento global tenha antecipado a provável ruptura do iceberg, mas não têm evidências suficientes para embasar essa teoria.
No entanto, os cientistas permanecem preocupados sobre o impacto do descolamento desse iceberg do restante da plataforma de gelo, já que a ruptura da Larsen B, em 2002, ocorreu de forma muito semelhante.
Como vai flutuar sob temperatura constante, o iceberg não aumentará o nível dos mares.
Mas novas rupturas na plataforma podem acabar dando origem a geleiras que se desprenderiam em direção ao oceano. Uma vez que esse gelo derrete, afeta o nível dos mares.
Segundo estimativas, se todo o gelo da Larsen C derreter, o nível dos mares aumentaria cerca de 10 cm.
Há poucas certezas absolutas, contudo, sobre uma mudança iminente no contorno da Antártida. Fonte:BBC
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 6 de julho de 2017

A rocha que registra a história de como surgiram os organismos mais complexos na Terra


Rocha no Museu de História Natural de LondresDireito de imagemNHM
Image captionAs listras refletem os distintos mineirais que compõem a rocha

A imensa rocha de dois metros de comprimento e um de altura parece retirada de um bolo recheado e colorido.
Parte de uma nova mostra permanente do Museu de História Natural de Londres, a peça é um tipo de rocha formado por pedras e ferro bandado. Fica localizada no saguão principal, justamente embaixo do esqueleto de baleia, uma das peças mais famosas do acervo da instituição.
Pesando 2,5 toneladas, a rocha representa, na exposição, uma espécie de transição entre o mundo mineral e animal.
Formações de ferro bandado surgiram nos oceanos há mais de 2 bilhões de anos. E registram, em suas camadas, uma transformação química crucial na história da Terra: a proliferação do oxigênio.
Foi uma mudança profunda que possibilitou o surgimento de formas de vida complexas, como humanos e outros mamíferos - assim como a baleia cujo esqueleto agora faz companhia à rocha.

Registros

As linhas onduladas na pedra são faixas de óxido de ferro, intercaladas com sílica. Os oceanos primitivos da Terra estavam possivelmente repletos de ferro, diluído e arrastado desde os continentes. Quando essa solução se combinou com o oxigênio produzido por bactérias, os óxidos resultantes se depositaram no leito marinho.

Mina de PilbaraDireito de imagemRIO TINTO
Image captionA pedra vem de uma mina a céu aberto no noroeste de Austrália

As diferentes camadas incorporadas à rocha marcam, provavelmente, ciclos de expansão de diminuição das bactérias. À medida que o ferro ia sendo consumido nas águas, o oxigênio liberado não tinha onde ir a não ser para a atmosfera, o que foi permitindo a diversificação da vida terrestre.
E assim a Terra foi se tornando um lugar diferente.
"A rocha nos conta uma história fantástica", diz à BBC o diretor do departamento de Ciências da Terra do museu, Richard Herrington, explicando que o mineral testemunhou um período de grandes mudanças químicas que moldaram nosso planeta como ele é hoje.
"É o prelúdio da vida complexa. Respiramos oxigênio. Os organismos necessitam de uma fonte de energia, e queimar carbono na presença de oxigênio é de onde, majoritariamente, tiramos nossa energia", explica Herrington. "Devem ter passado 2 bilhões de anos entre o surgimento da rocha e o dos primeiros organismos multicelulares, mas isso é outra história."

Rocha chegando ao Museu de História Natural, em LondresDireito de imagemLUCIE GOODAYLE, MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL
Image captionA rocha chega ao museu em Londres

A rocha do Museu de História Natural de Londres é proveniente da região de Pilbara, na Austrália.
Foi encontrada em uma mina a céu aberto, pertencente à multinacional Rio Tinto. A rocha contém 32% de ferro.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O mistério da homossexualidade em animais


Fêmeas de macaco-japonêsImage copyrightPAUL VASEY
Image captionCientistas notaram que fêmeas do macaco-japonês buscam prazer com outras fêmeas

Durante a temporada de acasalamento de inverno, a competição por uma fêmea de macaco-japonês é acirrada. Os machos não têm de disputar apenas com outros machos, mas também com outras fêmeas.
Entre esses animais, objetos de estudo do psicólogo Paul Vasey, da Universidade de Lethbridge, no Canadá, uma fêmea sobe na outra e estimula seus genitais esfregando-os na parceira. As duas se olham nos olhos durante a relação e tendem a permanecer semanas juntas, inclusive para dormir e se defender de possíveis rivais.
Já se sabe que o comportamento homossexual é bastante comum no reino animal, envolvendo de insetos a mamíferos. Mas será que é possível chamar esses bichos de homossexuais?
O primeiro livro que trouxe o assunto para o centro das discussões foi Biological Exuberance, de Bruce Bagemihl, publicado em 1999. O texto citava inúmeros exemplos de relações homossexuais em uma grande variedade de espécies, que logo viraram objeto de estudo sistemático por parte dos cientistas.

Evolução


Besouros-castanhosImage copyrightALAMY
Image captionBesouros machos depositam esperma em outros e acabam por fertilizar mais fêmeas

Segundo Vasey, apesar de centenas de espécies terem sido observadas em relações sexuais com parceiros do mesmo sexo em ocasiões isoladas, poucas delas fazem disso uma parte rotineira de suas vidas.
No caso dos macacos-japoneses, Vasey e sua equipe observaram que mesmo participando de relações sexuais com outras fêmeas, elas continuavam interessadas nos machos. Entre esses animais, as fêmeas frequentemente montam no macho, aparentemente para incentivá-los a acasalar.
Em alguns casos, existem razões evolucionárias para explicar o comportamento homossexual dos animais.
Por exemplo: em seus primeiros 30 minutos de vida, machos das moscas-das-frutas tentam copular com qualquer outra mosca, macho ou fêmea. Só depois eles aprendem a reconhecer o odor das fêmeas virgens e se concentram nelas.
Essa abordagem de tentativa e erro pode parecer ineficaz. Mas para o biólogo David Featherstone, da Universidade de Illinois, trata-se de uma boa estratégia. Na natureza, moscas de diferentes habitats podem apresentar misturas de feromônios ligeiramente diferentes.
"Um macho poderia perder a oportunidade de ter filhotes viáveis se fossem programados para reconhecer apenas um tipo de odor", afirma.
Os besouros-castanhos machos usam um truque diferente. Eles copulam entre si e até depositam esperma no parceiro. Se o macho que estiver carregando esse esperma acasalar depois com uma fêmea, esse esperma poderá ser transferido – assim, o macho que produziu o esperma fertiliza uma fêmea sem ter que cortejá-la.
Em ambos os casos, os machos estão usando um comportamento homossexual como uma maneira de fertilizar mais fêmeas.
Por isso, fica claro por que esses comportamentos podem ter sido favorecidos durante a evolução das espécies. Mas também se nota que essas duas espécies estão longe de serem estritamente homossexuais.

'Homo' ou 'bi'?


Image copyrightALAMY
Image captionEntre aves, algumas fêmeas se unem a outras para cuidar de seus filhotes

Outros animais, no entanto, realmente parecem ser totalmente gays. Um deles é o albatroz-de-laysan, que vive no arquipélago americano do Havaí.
Entre esses enormes pássaros, os casais normalmente permanecem 'casados' por toda a vida e participam ativamente dos cuidados com os filhotes.
Mas em uma população da ilha de Oahu, 31% dos casais são formados por duas fêmeas sem parentesco entre si. E mais: elas cuidam de filhotes cujos pais são machos que já estão em um 'casamento estável' com outra fêmea, mas 'pulam a cerca' para acasalar com uma ou ambas as fêmeas do casal de mesmo sexo.
Segundo a bióloga Marlene Zuk, da Universidade de Minnesota, se as fêmeas de albatrozes não criassem seus filhotes com outra fêmea, teriam mais dificuldades para chocar seus ovos e buscar comida.
Mas, novamente, não se trata de animais inerentemente homossexuais. Estudos dessa e de outas espécies de pássaros sugerem que a união homossexual ocorre como uma resposta à falta de machos e é mais rara quando uma população tem uma proporção mais equilibrada entre os dois sexos.

BonobosImage copyrightALAMY
Image captionBonobos podem usar o sexo para ganhar influência em um grupo

E se olharmos para nossos parentes mais próximos, os primatas hominoides? Os bonobos, por exemplo, são uma espécie de chimpanzé extremamente ativa sexualmente. Tanto machos quanto fêmeas apresentam comportamentos homossexuais.
Mas o sexo entre esses animais também tem a função de consolidar as relações sociais. Bonobos podem usar o sexo para se aproximar de membros dominantes do grupo e assim ganhar mais status. Até mesmo os mais jovens costumam confortar outros com abraços e atos sexuais.
Algumas espécies de golfinhos também apresentam comportamentos homossexuais que os ajudam dentro do grupo. Mas, no fim, todos acasalam com membros do outro sexo para se reproduzirem.
Todas essas espécies seriam melhor descritas como 'bissexuais', pois transitam facilmente entre os dois comportamentos e não mostram uma orientação sexual consistente.

Homossexuais 'puros'


Carneiros e ovelhasImage copyrightNA
Image captionSegundo cientistas, 8% dos carneiros domesticados permanecem com sua opção pelo mesmo sexo

Apenas duas espécies reconhecidamente exibem preferência pelo mesmo sexo pelo resto da vida, mesmo quando há parceiros suficientes do outro sexo. Uma delas, claro, é a espécie humana. A outra é o carneiro domesticado.
Em rebanhos ovinos, até 8% dos machos preferem outros machos mesmo quando há fêmeas férteis no grupo.
Em 1994, neurocientistas descobriram que esses machos tinham o cérebro ligeiramente diferente do resto, com um hipotálamo menor – a parte que controla a liberação de hormônios sexuais.
Isso endossaria o polêmico estudo do neurocientista Simon LeVay, que em 1991 descreveu uma diferença entre a estrutura cerebral de homens gays e heterossexuais.
Mas LeVay acredita que carneiros selvagens não apresentam o mesmo comportamento. Segundo ele, o animal domesticado foi aos poucos sendo 'manipulado' por criadores para produzir fêmeas que se reproduzem o mais frequentemente possível, o que pode ter permitido o aumento do número de machos homossexuais.
Por isso, tanto LeVay quanto Vasey afirmam que os humanos são o único caso documentado de 'verdadeira' homossexualidade entre animais selvagens.
Talvez nunca encontremos um animal selvagem que seja estritamente homossexual como muitos humanos. Mas podemos estar certos de que vamos descobrir cada vez mais animais que não se encaixam nas categorias tradicionais de orientação sexual.
Eles usam o sexo para satisfazer todo tipo de necessidade, do simples prazer à afirmação social. E isso exige flexibilidade.
Fonte BBC. 

O mistério da homossexualidade em animais.

Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O espaço pode ser a próxima internet? Entenda esta ideia


O espaço pode ser a próxima internet? Essa ideia aparentemente sem sentido foi explicada por Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin, uma empresa que compete com a SpaceX pela evolução da exploração espacial. A ideia é habilitar uma nova era de empreendedorismo espacial, como foi possível com os primórdios da internet no planeta.
Bezos conta que seu objetivo é criar uma infraestrutura para o espaço similar à que a Amazon pode aproveitar em 1995, com o começo da internet. “Dois garotos em uma universidade podem reinventar uma indústria, mas dois garotos em uma universidade não podem fazer nada de interessante no espaço”, ele explica, fazendo referência à facilidade com que a internet revolucionou mercados inteiros, e como isso não existe para a exploração espacial.
Para mudar isso, a grande meta é tornar a ida ao espaço mais acessível, e uma parte importantíssima deste processo é reduzir o custo permitindo o reaproveitamento dos foguetes que sempre foram destruídos após um uso. Tornar esta viagem mais barata é o foco do que SpaceX e Blue Origin se propõem a fazer, permitindo colocar grandes objetos em órbita com um custo mais baixo.
O executivo afirma que estas restrições de custos impõem restrições sérias a qualquer tipo de espírito empreendedor, ao contrário da liberdade oferecida pela internet. Bezos lembra que, na época da fundação, a Amazon era ele e mais dez pessoas empacotando livros e dirigindo até o posto de correio próximo para entregar os pacotes. “Nós tínhamos uma infraestrutura para fazer o trabalho pesado. Por exemplo, tínhamos uma rede gigantescas que era o Serviço Postal dos Estados Unidos; a internet em si funcionava sobre a rede de chamadas de longa distância”, conta ele, reafirmando que não há nada parecido para realizar negócios que envolvam o espaço.
“Sempre que você encontra uma forma de oferecer ferramentas e serviços que permitam a outras pessoas exercitarem sua criatividade, você está no caminho certo. Eu acho que o espaço está perto de entrar em sua era dourada”, conclui ele, revelando o seu sonho de criar esta infraestrutura espacial.Fonte:http://olhardigital.uol.com.br/
Professor Edgar Bom Jardim - PE

domingo, 22 de maio de 2016

'Superbácterias matarão uma pessoa a cada 3 segundos em 2050'

Imagem de bactériaImage copyrightCDC
Image captionSuperbactérias são ameaça global, segundo estudo
Superbactérias irão matar uma pessoa a cada três segundos em 2050 se medidas não forem tomadas imediatamente, de acordo com o relatório encomendado pelo governo britânico e divulgado nesta quinta-feira.
O estudo, encomendado pelo governo britânico e liderado pelo economista Jim O'Neill, criador do termo Bric, sugere um plano que requer bilhões de dólares de investimento para impedir que a medicina "seja levada de volta à idade das trevas".
Também defende uma revolução na forma como os antibióticos são usados e uma grande campanha para educar as pessoas.
O relatório foi recebido sem consenso - houve elogios, mas críticos disseram que ele é "insuficiente".
A luta contra infecções que são resistentes a antibióticos já foi descrita como "risco tão grande quanto o terrorismo" por autoridades britânicas.
O problema é que não estão sendo desenvolvidos novos medicamentos - e os que existem estão sendo desperdiçados.
Clostridium difficile drug-resistant bacteriaImage copyrightSCIENCE PHOTO LIBRARY
Image captionResistência a antibióticos aumentou nos últimos anos
Desde o início do estudo Review on Antimicrobial Resistance, em 2014, mais de um milhão de pessoas morreram devido a este tipo de infecção.
E médicos também descobriram bactérias que resistem ao antibiótico usado como último recurso, a colistina, o que levou a um alerta sobre o risco de uma era "pós-antibiótico".
A publicação diz que a situação deve piorar e prevê um aumento gradual de mortes causadas por infecções resistentes que chegará, em 2050, ao nível de 10 milhões de pessoas mortas por ano.
E os custos que a resistência a antibióticos representa chegarão a US$ 100 trilhões na metade do século.
A publicação recomenda:
  • uma campanha de conscientização global e urgente, já que a maioria das pessoas não sabem deste problema
  • Estabelecer um Fundo de Inovação Global de US$ 2 bilhões para pesquisa em estágio inicial
  • Melhorar o acesso a água limpa, saneamento e hospitais mais limpos para prevenir a propagação de infecções
  • Reduzir o uso desnecessário de antibiótico na agricultura, incluindo uma proibição dos "muito arriscados" para a saúde humana
  • Melhorar a vigilância do crescimento da resistência a antibióticos
  • Pagar US$ 1 bilhão a empresas por cada antibiótico descoberto
  • Dar incentivos financeiros para desenvolver novos testes para impedir que antibióticos sejam receitados quando eles não funcionarão
  • Promover o uso de vacinas e alternativas a antibióticos
Gráfico
A publicação diz que o pagamento por essas ações poderia ser feito com uma pequena parte do atual orçamento para saúde dos países ou por meio de impostos extras para farmacêuticas que não investirem em pesquisa de antibióticos.
"Precisamos informar as pessoas de formas diferentes, por todo o mundo, por que é crucial parar de tratar nossos antibióticos como se fossem balas ou doces", disse Jim O'Neill.
"Se não resolvermos o problema, estaremos nos dirigindo à idade das trevas, muitas pessoas irão morrer."

Sofrimento

Emily Morris
Image captionEmily Morris sofre frequentemente com infecção resistente a antibióticos
Espera-se que as medidas impeçam que mais pessoas passem pela mesma experiência de Emily Morris, de Milton Keynes, na Inglaterra.
Ela tinha, com frequência, infecções urinárias que não respondiam a antibióticos e poderiam causar dano aos rins e até sua morte.
"A cada ardência e cada dor, fico arrasada pensando em quantos antibióticos terei que usar desta vez."
"Tive que batalhar para conviver com a resistência a antibióticos por cerca de oito anos na minha vida... há uma necessidade clara de novos antibióticos."
Mas encontrar uma forma de encorajar a indústria farmacêutica a produzir novos antibióticos é um problema antigo. Nenhum novo tipo de antibiótico foi descoberto desde os anos 1980.
Um novo antibiótico seria guardado para uso em emergências, o que significa que uma empresa nunca conseguiria bancar, com as vendas, o custo de pesquisa e desenvolvimento.
John Rex, da unidade de antibióticos da AstraZeneca, disse que uma nova forma de pagar pelos medicamentos, como propostas no relatório (que prevê incentivos a farmacêuticas), são necessárias.
"Esses modelos deveria reconhecer os antibióticos como o equivalente, em saúde, ao extintor de incêndio. Ele deve estar sempre na parede para salvar vidas, tem grande valor, mesmo sendo pouco usado."
PorcoImage copyrightGETTY IMAGES
Image captionA resistência a colistina foi descoberta em porcos na China, onde são intensivamente tratados com antibióticos
O'Neill também criticou a prática de agricultura e pecuária que usa antibióticos para incentivar o crescimento de animais em vez de tratar sua infecção.
Nos EUA, 70% dos antibióticos são usados em animais.
Essa prática pode espalhar a resistência de bactérias a antibióticos para infecções em humanos, como aconteceu com a resistência à colistina registrada no ano passado.
Ele também criticou a falta de testes para infecções, o que faz com que médicos receitem antibióticos para pacientes com infecções virais - ou seja, que não reagem a antibióticos.
"Acho incrível que médicos tenham que prescrever antibióticos baseando-se apenas em um exame clínico dos sintomas dos pacientes, assim quando faziam nos anos 1950", diz O'Neill.
Õrgãos como a Organização Mundial da Saúde e instituições de caridade elogiaram o relatório.
O primeiro-ministro italiano Mario Monti disse que as descobertas "certamente merecem a atenção urgente de líderes mundiais".
BactériaImage copyrightSPL
Image captionNenhum novo tipo de antibiótico foi descoberto desde a década de 1980

Insuficiente

Mas Grania Brigden, do grupo Médicos Sem Fronteiras, disse que "o relatório é um passo importante para discutir esta falha de mercado, mas não vai longe o suficiente."
"O relatório propõe novas formas de financiamento para superar as falhas da pesquisa e desenvolvimento farmacêutico, mas as propostas não necessariamente garantem acesso a ferramentas já existentes ou novos produtos que estejam surgindo."
"Em vez disso, em alguns casos, a solução do relatório é subsidiar preços mais altos em vez de tentar superá-los", afirmou. Fonte:BBC.
Professor Edgar Bom Jardim - PE