Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

'Todos os meus sonhos ruindo': o drama dos metalúrgicos com fechamento de fábrica da Ford em SP


Metalúrgicos da Ford, em protesto na frente da empresaDireito de imagemADONIS GUERRA/SMABC/DIVULGAÇÃO
Image captionTrabalhadores da Ford iniciaram uma paralisação depois do anúncio de fechamento da fábrica de São Bernardo do Campo
"Quando você entra na Ford, você realiza um sonho que tinha desde criança. Pronto, você entrou, virou um metalúrgico, como o seu pai. É um sonho realizado que vai te ajudar a atingir outros sonhos: ter uma casa, ter uma família, fazer faculdade, comprar um carro. Então, você me perguntou o que eu senti ontem. Senti como se todos esses sonhos estivessem ruindo."
Em um bar ao lado da Ford, em São Bernardo do Campo, o metalúrgico Gustavo Alves, de 30 anos, fala com a BBC News Brasil enquanto seus colegas conversam sobre o futuro incerto que todos ali devem enfrentar nos próximos dias.
A Ford mudará a decisão de fechar a fábrica na cidade conforme anunciou na terça? E se houver mobilização dos trabalhadores? O sindicato vai conseguir negociar? A greve continuará? O governo pode ajudar? E se nada der certo, até quando eles terão emprego? Como ficarão os benefícios?
Não é que eles não soubessem que algo poderia acontecer na companhia, pois os rumores de que a unidade poderia fechar já circulavam havia algum tempo em virtude dos prejuízos da empresa na América do Sul. Nos últimos anos, os funcionários se acostumaram aos cortes de benefícios, congelamento de salários, demissões e redução de jornada de trabalho.
A unidade montava principalmente caminhões, mas vinha operando bastante abaixo da capacidade. Em 2018, por exemplo, a fábrica produziu apenas 19% dos 89 mil caminhões que é capaz de montar, segundo dados da empresa. Por causa disso, um acordo reduziu a jornada dos empregados – eles estavam trabalhando apenas três dias por semana.
Gustavo Alves, de 30 anos, funcionário da Ford
Image captionGustavo Alves, de 30 anos, começou a trabalhar na Ford em 2014, indicado por seu pai, que se aposentou pela empresa
"Quando entrei, em 2014, essa fábrica tinha 7 mil trabalhadores", diz Gustavo, mais tarde, enquanto abre as portas de seu Fiesta, carro Ford. Hoje, ela opera com 2,8 mil funcionários diretos, de acordo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Todos serão demitidos com o fechamento da unidade.
Segundo o sindicato, o anúncio deve impactar cerca de 24 mil empregos diretos e indiretos - entre terceirizados e fornecedores. Além disso, bares e restaurantes do entorno devem ser afetados com a saída da massa de funcionários.
A notícia do fechamento da fábrica, no entanto, surpreendeu os trabalhadores na terça-feira, logo após o almoço. "Ninguém esperava que fosse assim. Depois de uma reunião, nossos representantes pararam a produção e avisaram sobre o anúncio", diz Gustavo, montador de painéis de caminhões. "Foi um choque."
Em seguida, os trabalhadores entraram em greve atrás de um acordo para evitar o encerramento das atividades. No entanto, não há informação de que isso possa ocorrer, pois a decisão foi tomada pela cúpula da empresa.

Filho de metalúrgico, metalúrgico é

Gustavo entrou na Ford depois de uma indicação do pai, Armezino, que se aposentou pela empresa depois de 30 anos de trabalho como ponteador de peças. Conhecido por Tucano, o metalúrgico foi sindicalista e participou das históricas greves em fábricas do ABC, movimento que lançou Luiz Inácio Lula da Silva como uma figura política importante e popular entre as camadas mais pobres.
"Sempre quis ser metalúrgico da Ford, porque eu acompanhava meu pai desde moleque. Ele me trazia aqui, me levava no sindicato, eu via como era aquela vida de luta", diz o jovem. "O que agora me deixa mais triste é que a gente se sacrificou pela empresa, cedendo benefícios, deixando de receber aumento real. E agora, ela nos deixa na mão."
A história familiar de Clayton Diogenes da Silva, de 43 anos, também se confunde com a Ford - a fábrica em São Bernardo existe desde 1967. Entre os colegas, ele é conhecido por Risadinha (o sorriso fácil, mesmo quando fala de coisas tristes, talvez explique o apelido).
Clayton Diogenes da Silva, 43, funcionário da Ford
Image captionClayton Diogenes da Silva, 43, e seu pai Antonio Carlos trabalharam por décadas na Ford em São Bernardo do Campo
"Foi na Ford que meu pai criou cinco filhos e que eu criei meus dois", diz o inspetor de processo, há 23 anos na fábrica. "Entrei com 19 anos, e ainda trabalhei um ano com meu pai aqui."
O pai, Antonio Carlos da Silva, ficou 25 anos na unidade, parte deles como inspetor de qualidade de motores. "Em 1971, quando entrei como chão de fábrica, a gente fazia Maverick, Belina, Landau", diz Antonio, mais tarde, por telefone.
Já seu filho, o Risadinha, passou pelas fases Escort, Verona, Ka, Fiesta. "Nossa família se formou na Ford, primos e tios também trabalharam aqui, temos um apreço muito grande pela empresa", afirma. "Só compramos carros da Ford. Se um parente aparece com um Volks, a gente exclui da família", brinca.

O que diz a Ford?

A montadora americana afirma que vai encerrar as atividades da fábrica em São Bernardo ao longo deste ano, acabando com o setor de caminhões e transferindo a montagem do modelo Fiesta para outras unidades no país. Um acordo entre a companhia e o sindicato prevê estabilidade dos trabalhadores até novembro.
Em nota, a Ford explica que a decisão de deixar o mercado de caminhões "foi tomada após vários meses de busca por alternativas, que incluíram a possibilidade de parcerias e venda da operação. A manutenção do negócio teria exigido um volume expressivo de investimentos sem, no entanto, apresentar um caminho viável para um negócio lucrativo e sustentável".
A empresa prevê um gasto de R$ 1,7 bilhão com "compensações de funcionários, concessionários e fornecedores."
"Sabemos que essa decisão terá um impacto significativo sobre os nossos funcionários de São Bernardo do Campo e, por isso, trabalharemos com todos os nossos parceiros nos próximos passos", disse Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul.
O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, criticou o anúncio e disse que os trabalhadores vão se mobilizar. "Nossa decisão é de resistência, nós não vamos aceitar. O que vamos fazer? Tudo, tudo o que aprendemos no movimento sindical. Se tiver que fazer greve, vamos fazer. Ou acampamento. Se tiver que negociar, vamos negociar", afirmou à BBC News Brasil.
O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), mostrou indignação com a decisão da montadora americana. "Não aceito a forma que está sendo feito. Não considero correto, acho um desrespeito com os trabalhadores e com a cidade", disse, em um vídeo nas redes sociais.
Entrada da Ford em São Bernardo do Campo, SPDireito de imagemREUTERS
Image captionFord afirma que vai acabar com setor de caminhões, em São Bernardo do Campo

E o futuro dos metalúrgicos?

Para o preparador de máquinas Anderson Viana, de 38 anos, conhecido entre os colegas como Pitchulinha, o desemprego pode significar sérias dificuldades para sustentar seus dois filhos. "Também tenho um irmão deficiente, com paralisia cerebral, que depende de mim. A Ford é meu ganha pão, minha vida digna depende dela", diz.
Quando entrou na empresa em 2010, Anderson pensava que seu bem-estar estava garantido por muito tempo - o salário médio na empresa é de cerca de R$ 6.000. "Achava que eu iria me aposentar aqui, sonhava que meu filho viesse trabalhar na Ford. Mas parece que a empresa não teve pena de ninguém, como se a gente fosse uma mercadoria que se descarta, como se fosse um carro", diz.
Seu colega, o funileiro de produção Sergio Soares, de 50 anos, conta como o emprego na montadora melhorou sua vida. "A Ford significou uma mudança. Você vai subindo na folha, vai melhorando. Compra casa, carro, faz faculdade", enumera.
Ele está há 25 anos na fábrica de São Bernardo, e tem esperança de que o sindicato da categoria consiga reverter o jogo, como tantas vezes conseguiu ao longo de sua história de mobilizações. "Espero que a gente mude essa decisão, porque terá um impacto muito grande na vida das pessoas."
Já Clayton Diogenes da Silva, o Risadinha, não acredita muito no futuro como metalúrgico. "Aqui no ABC, o auge da cadeia produtiva era ser metalúrgico de uma montadora", diz ele, cuja faculdade de tecnologia em processo de produção foi paga pela Ford. "Nós, da área de tecnologia, sabemos quando nossa mão de obra fica obsoleta."
Seu pai, o aposentado Antonio Carlos, é um pouco mais otimista, embora perceba que, dessa vez, o cenário parece pior que o da sua época. "Quando entrei na Ford, em 1971, já tinha um papo de que a fábrica de São Bernardo iria fechar. Mas era só fofoca entre os peões, nunca teve um anúncio como esse", diz.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Pedreiro desafia canalhas covardes


São Paulo – Após o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ,) prometer empenho pela aprovação da reforma da Previdência e dizer que "todo mundo consegue trabalhar até os 80 anos", à Globo News, um ajudante de pedreiro publicou nas redes sociais um vídeo em que desafia o parlamentar, "convidando" Maia a trabalhar um mês ao seu lado.  
"Se você passar 30 dias trabalhando aqui, eu abro mão da aposentadoria. Ele disse que um homem pode trabalhar até os 80 anos, então vem passar 30 dias comigo, comendo marmita e batendo concreto. Se você conseguir, eu trabalho até morrer sem me aposentar", afirma no vídeo, enquanto mistura a massa de cimento, areia e pedras.
O pedreiro protesta contra a proposta de reforma da Previdência  que exige 40 anos de contribuição para que um trabalhador consiga se aposentar com 100% da média dos salários de todo esse período. 
Maia afirmou nesta quarta-feira (20) que a tramitação da reforma da Previdência será iniciada já na próxima terça (26), quando será instalada a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. 
Pedreiro desafia Maia
'Ele disse que um homem pode trabalhar até os 80 anos, então vem passar 30 dias comigo', disse o ajudante de pedreiro
Fonte:redebrasilatual.com.br
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Cartão celestial do BMG. Pode acreditar nas chicotas

“Cartão de crédito Fé” 


André Valadão, cantor gospel e pastor da Lagoinha Church em Orlando – EUA, lançou essa semana um cartão de crédito sem anuidade.
Em parceria com o BMG, o cartão ganhou o nome “Fé”, marca registrada do cantor, que já usa em diversos produtos, como: Camisetas, canetas, bíblias, capacete, livros, cadernos, adesivos e vários outros produtos.
Sem anuidade, o cartão é próprio para aposentados e pensionistas, e para funcionários públicos que queiram tirar um empréstimo consignado.
O caso de André Valadão ter feito propaganda do cartão durante o culto, acabou incomodando alguns evangélicos, que acham inaceitável esse tipo de publicidade dentro do templo, durante um culto.
De:www.gospelgeral.com.br
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Quem se envolve com o avesso do avesso?


Resultado de imagem para boechat e malafaia

As palavras não viajam soltas como pipas. Elas pesam, desenham, ajudam, falecem. Não esqueça dos dizeres da Bíblia. Deus era o soberano do verbo, Fez o mundo, estabeleceu mandamento, condenou pecadores. Quem já não ouviu os evangelhos, os ensinamentos generosos ou o lado avesso, descontrolado e feiticeira? Alguns donos de religiões querem acenar para maldições. Fazem negócios com as palavras, vendem toda malícia para os ingênuos desamparados. Não faltam mensageiros do obscuro. O governo atua com ajuda de muitos que parecem desenganados, mas possuem alvos perigosos, com armas engatilhadas.
Morre Boechat e a tristeza nos vista com força. Não custa lembrar as orações de Malafaias e os crentes que o veneram. Chegamos a certos limites, porém a história vai e volta, não há como negar tantas tragédias e piratarias que assombram o cotidiano. O lugar do sagrado está abalado. Prometem espionar as ações da Igreja Católica. Jair se recupera mandando mensagens, não consegue estender o discurso, a complexidade. Joga,Deveria  acumular um pingo de sensibilidade. A dor não o toca? Tudo é um grande fanatsma? Estamos perdidos ou o destino nos tira da solidariedade? A rebeldia desabitou-se?
As lamentações ocupam conversas e ferem páginas. As máscaras se valorizam com a chegada do carnaval. A sucessão de desastres apagar o fogo da mudança. Será que o reino do mal se apresenta vestido de memórias de genocídios passados? Não há homogeneidades. Nem todos se conformam e entram na dança do mesmo e do vazio. Mas choca que a celebração constante de preconceitos, a violência vestindo as palavras, o capitalismo formando profetas e expulsando seus inimigos de forma feroz. O gatilho não relaxa. Os assassinatos comandam as manobras da milícias e Moro acena com a destruição do crime e a ruína de corrupção.
Quem não entende que o capitalismo sobrevive riscando possibilidade de montar sonhos e acelerando reformas nada generosas? A política não é um tecido branco sem manchas. Os confrontos se alastram, se transformam, porém não se cansam da história. É impossível conviver com utopias , se o mundo está nu, cruel, irado. As intolerâncias crescem, porque o diálogo não se firmar. Muitos exercitam a agressividade como terapia. Estranho. Boechat buscava desmentir, mostrar os desequilíbrios, afirmar a dignidade. No entanto, nem sempre há que os que torcem pelas saídas e gritam  ordens nefastas O peso da palavra não se foi e o balanço está próximo do abismo.
A astúcia de Ulisses
Professor Edgar Bom Jardim - PE

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Como entender (e se preparar) para o novo Ensino Médio




Estudantes fazem fila para abertura dos portões para a prova do Enem no Rio de Janeiro   Foto: Fernanda Frazão/Agência Brasil

O novo Ensino Médio nem chegou e já virou uma dor de cabeça para professores e gestores. Afinal, diferente da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) para Infantil e Fundamental, as orientações para essa etapa são menos detalhadas. Há uma grande indagação sobre estrutura física das escolas, currículos e didática. 
Para piorar, o debate sobre o novo Ensino Médio está cheio de medos e desconfianças. O apoio do MEC (como e o que fará) é tão vital quanto incerto. Pouca gente arrisca uma hipótese sobre os planos do ministério para essa etapa. Também há uma grande desconfiança de educadores e especialistas sobre a viabilidade da reforma. Muitos deles apontam dificuldades em oferecer percursos formativos em cidades pequenas ou pobres. E, com razão, muitos receiam que as mudanças agravem as já enormes desigualdades educacionais no país. 
Na prática, é um debate inexistente. 
Por isso, chega em boa hora o livro “Modelos Curriculares para o Ensino Médio. Desafios e Respostas em 11 Sistemas Educacionais”. Ele é uma ótima introdução ao debate e ajuda a pensar o Brasil.  Se quiser lê-lo, ele está disponível para download. É só clicar aqui.
Primeiro, ele conta uma breve história do Ensino Médio pelo mundo. No passado, em alguns países, ele não era obrigatório. A etapa fora pensada para poucas pessoas, com o objetivo de formar trabalhadores qualificados em cidades desenvolvidas. Num mundo rural, a prioridade era oferecer educação fundamental para todos. Média, só para alguns. 
Porém, especialmente na segunda metade do século 20, as cidades cresceram e a economia ficou mais complexa. A maior parte da população precisava de conhecimento além do Fundamental para navegar por esse planeta. Foi aí que se impuseram questões sobre como organizar o Ensino Médio – um movimento que dura até hoje. 
As autoras do livro, Alejandra Cardini e Belén Sanchez, são pesquisadoras do Cippec (Centro de Implantação de Políticas Públicas para Equidade e Crescimento), da Argentina. Elas deixam bem claro que não há respostas óbvias. Afinal, estamos falando de adolescentes às portas da universidade ou do mercado de trabalho em países, Estados e cidades em rápida transformação econômica e social. 
Por isso, o livro ainda fala sobre tradições educacionais e curriculares de cada lugar, indo das complexidades de cada modelo a pontos bem concretos, como promoções, avaliações e certificações. Não é um manual que ignora história e contexto de cada país. 
Após traçar um grande panorama de 11 países, o livro faz um estudo de caso sobre Ontário, no Canadá. Ele oferece pistas bem interessantes para pensar o Brasil, já que essa província (equivalente a um Estado brasileiro) passou por uma flexibilização curricular. Não é só o Brasil que passa por dilemas nessa etapa. 
Ao terminar a leitura, é fácil chegar a algumas conclusões. Na falta de um projeto para o Ensino Médio, o Brasil congelou a etapa e empilhou disciplinas. Criamos uma escola que obriga o estudante a se adaptar a ela. O que as melhores experiências do mundo mostram, porém, é o contrário. As salas de aula precisam mudar de acordo com os interesses de crianças e adolescentes. 
Tem mais. Em vez de combater a desigualdade a sério, o Brasil combateu a desigualdade educacional no discurso e de forma genérica. Quando você analisa currículo por currículo pelo mundo, vê a quantidade de trabalho que os técnicos e especialistas tiveram para montar padrões. Isso é combater desigualdade de verdade, analisando a vida real e montando trilhas pelos quais as pessoas possam criar seus próprios destinos.
Em defesa do Brasil, porém, há a contingência. O Ensino Médio é novo por aqui. Poucas décadas atrás, a lei previa apenas quatro anos de escolaridade obrigatória. Isso, certamente, adiou uma discussão mais profunda sobre a etapa. 
Por isso, a obra vem em boa hora. Ela não é um manual de implementação nem vai dar muitos detalhes sobre didática específica (toda obra tem limites). Porém, certamente será muito útil para quem quiser enfrentar uma verdade desagradável. Do jeito que está, é muito fácil abandonar o Ensino Médio. E, infelizmente, milhares de adolescentes, todos os anos, deixam de estudar porque nós não fomos capazes de tornar o ensino atraente, interessante e útil para eles e elas - especialmente os mais pobres. 
O Brasil pode e deve aprender com quem já enfrentou esse desafio. Há muito conhecimento aqui, é claro. Mas o que vem de fora, obviamente, também tem um enorme valor. Nova escola. POR:

Leandro Beguoci
Professor Edgar Bom Jardim - PE

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Destruindo aposentadorias do povo

Presidente da República, Jair Bolsonaro na Base Aérea de Brasília
Presidente da República, Jair Bolsonaro na Base Aérea de BrasíliaFoto: Marcos Corrêa/PR
O presidente Jair Bolsonaro decidiu nesta quinta-feira (14) que a nova reforma previdenciária estabelecerá idades mínimas de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

Em reunião com a equipe econômica, ficou estabelecido que haverá um período de doze anos de transição para se chegar aos pisos para recebimento da aposentadoria. A confirmação foi feita pelo secretário especial de Previdênciado Ministério da Economia, Rogério Marinho. Segundo ele, a equipe econômica defendeu uma única idade mínima para homens e mulheres de 65 anos, o que foi recusado pelo presidente.

A expectativa é de que na próxima quarta-feia (20) o presidente assine o texto e, no mesmo dia, ele seja divulgado publicamente e enviado à Câmara dos Deputados.
reforma da Previdência de Bolsonaro é mais dura do que a versão final do projeto do ex-presidente Michel Temer.

Com informação da Folha de Pernambuco
Professor Edgar Bom Jardim - PE

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Brasil de Bolsonaro decepcionado:Proposta cria o trabalhador 'sem': sem 13º, sem férias e sem FGTS


Ministro-guru de Bolsonaro, Guedes cita fim da Justiça do Trabalho
Ministro-guru de Bolsonaro, Guedes cita fim da Justiça do Trabalho - 
Rio - Os jovens devem ser os mais penalizados com a Reforma da Previdência e com a carteira verde amarela anunciada por membros do governo. No primeiro item porque eleva o período de contribuição a 40 anos para que o trabalhador tenha direito a receber uma aposentadoria integral. No segundo porque em um universo de 12,8 milhões de desempregados no país, segundo pesquisa do IBGE, querer jogar para o trabalhador a escolha do modelo trabalhista como a carteira verde e amarela, onde há desistência de pagamento de férias e de 13º salário, é colocar a galinha dentro da toca do lobo. Ou seja, o lado mais forte vai prevalecer.
Na terça-feira em um jantar promovido pelo site Poder360, em Brasília, com empresários, membros do governo e jornalistas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, guru do presidente Jair Bolsonaro, afirmou que o texto da Reforma da Previdência incluirá uma nova opção de regime trabalhista para os jovens que ingressarem no mercado de trabalho. "O jovem poderá escolher. Na porta da esquerda, há a Carta del Lavoro (leis trabalhistas italianas aprovadas no governo de Benito Mussolini), Justiça do Trabalho, sindicatos, mas quase não tem emprego. É o sistema atual. Na porta da direita, não tem nada disso", afirmou o ministro a empresários.
Essa proposta do ministro, que consta no plano de governo de Bolsonaro, é duramente criticada por Sérgio Batalha, presidente da Comissão da Justiça do Trabalho da OAB-RJ. "Não se criam dois tipos de trabalhador: um com direitos e outro sem, isso fere o princípio da isonomia previsto no artigo 5º da Constituição da República", critica.
Com informação de: odia.ig.com.br
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Mourão:'Chico Mendes faz parte da história do Brasil'


Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press
Foto: Minervino Junior/CB/D.A Press

Após polêmica envolvendo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu a importância histórica do seringueiro e ativista Chico Mendes, morto em 1988. "O Chico Mendes faz parte da defesa do Brasil na defesa do meio ambiente. É história. Assim como outros vultos passaram por nossa história", afirmou Mourão ao ser questionado sobre o que achava de Mendes.
Indagado diretamente sobre a fala do ministro do Meio Ambiente, Mourão tentou evitar conflitos e pediu para que os jornalistas passassem para a próxima pergunta. "Não vamos polemizar isso aí que eu acho que não vale a pena, né? Próximo", declarou.

Ontem, durante participação no programa Roda Viva, Salles questionou a importância de Mendes. "Que diferença faz quem é Chico Mendes neste momento?", reagiu ao responder sobre qual era sua opinião em relação ao líder ambientalista. 

O chefe da pasta do Meio Ambiente disse que, na verdade, desconhece a história de Chico Mendes e que tão somente ouve relatos díspares sobre sua vida. "Do lado dos ambientalistas, mais ligados à esquerda, há um enaltecimento do Chico Mendes. As pessoas que são do 'agro', que são da região dizem que o Chico Mendes não era isso que é contado", continuou Salles, acrescentando que já ouviu de ruralistas que o líder ambientalista "usava os seringueiros para se beneficiar, fazia uma manipulação"
Com DP.
Professor Edgar Bom Jardim - PE

Artista homenageia mulher que socorreu caminhoneiro em acidente que vitimou Boechat



O artista brasileiro Angelo France recriou o momento em que uma mulher quebrou a porta do caminhão para salvar o motorista em acidente envolvendo helicóptero em São Paulo. A colisão vitimou o jornalista Ricardo Boechat e o piloto do helicóptero, Ronaldo Quattrucci.
Leiliane Rafael da Silva, 28, passava de moto com o marido  quando o helicóptero que transportava Ricardo Boechat caiu nessa segunda-feira, 11.
Após presenciar a explosão, Leiliani correu para ajudar o caminhoneiro João Adroaldo Tomanckeves, de 52 anos. Ela cortou o cinto de segurança com uma faca e depois tirou João pela parte do vidro.
Como forma de homenagem à Leiliane por sua coragem, o artista Angelo France recriou o momento usando a heroína Mulher Maravilha.  “Uma mulher forte, de coragem, que arriscava sua vida enquanto os homens a sua volta apenas se importavam em filmar ao invés de ajudar. Parabéns Leilaine!! Verdadeira Heroína!!! 👏”, postou o artista.
https://www.instagram.com/p/BtyDTZlHINs/?utm_source=ig_embed
Com informações de opovo
Professor Edgar Bom Jardim - PE

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Ricardo Boechat morre em queda de helicóptero em São Paulo


Jornalista Ricardo Boechat trabalhava atualmente na TV Bandeirantes
Jornalista Ricardo Boechat trabalhava atualmente na TV BandeirantesFoto: Divulgação/Band
O jornalista Ricardo Boechat, 66, morreu após a queda de um helicóptero em São Paulo nesta segunda-feira (11). Mais cedo, o Corpo de Bombeiros informou que duas pessoas tinham morrido após uma aeronave cair sobre um caminhão em trecho do Rodoanel que dá acesso à rodovia Anhanguera, na zona oeste de São Paulo. O jornalista estava em Campinas palestrando a convite de uma empresa farmacêutica, Libbs, que fretou a aeronave.

As vítimas seriam o piloto e o copiloto da aeronave, segundo as informações preliminares da corporação. A confirmação de que o jornalistaera um dos ocupantes veio mais tarde. O helicóptero era um modelo de 1975.

Leia também:
Revelação da ginástica brasileira morre aos 17 anos
Helicóptero da Polícia Militar do Rio cai na baía de Guanabara

O jornalista trabalhava atualmente no Grupo Bandeirantes de Comunicação, apresentando dois programas diários, "A Notícia com Ricardo Boechat", um matinal na rádio BandNews FM, e o "Jornal da Band" à noite, na TV Bandeirantes. Ele tinha também uma coluna na revista semanal Istoé. Boechat é ganhador de três prêmios Esso. É também o maior ganhador do Prêmio Comunique-se.

Acidente
Um caminhão foi atingido pela aeronave, e o motorista foi socorrido. O acidente ocorreu na altura do quilômetro 7 do Rodoanel, sentido Castelo Branco, próximo a um pedágio. A corporação atende a ocorrência com um helicóptero e 11 viaturas. Foram feitas interdições parciais nas pistas do Rodoanel sentido Perus ​e da Anhanguera sentido Jundiaí. 

Assista a vídeo da aeronave pegando fogo:




Jornalista Ricardo Boechat trabalhava atualmente na TV Bandeirantes
 Folha de Pernambuco com Band
Professor Edgar Bom Jardim - PE